Claro Brasil se prepara para negociar seu TAC


TeleSintese-Grafico-resultados-analise-positivo-crescendo-apresentacao-mao-pessoa-analise-cotacao-bolsa-acao-acoes-numeros-Fotolia_144496857

aprovação do termo de ajustamento de conduta (TAC) da Telefônica Brasil pelo Tribunal de Contas da União (TCU) serviu de incentivo para que outras operadoras já se movimentassem para recorrer ao mesmo expediente junto à Anatel. A próxima deve ser a Claro Brasil, dona de Claro, Embratel e Net.

O presidente da empresa, José Félix, afirmou nesta quarta-feira, 04, que com a aprovação do TAC da Telefônica, chegou a hora de apresentar a proposta da Claro à Anatel.

“Estávamos esperando o que ia acontecer. Agora que a gente já sabe qual o caminho, chegou a hora de abrir a gaveta e revisar o que temos. É algo bem menor do que os termos da Telefônica”, afirmou a jornalistas na Futurecom 2017. A estimativa é de que sejam R$ 250 milhões.

TACs

Além de Telefônica, Sercomtel e Oi pediram à Anatel a conversão de multas em investimentos. A Sercomtel teve sua proposta recusada pela agência, enquanto a Oi ainda está em negociação novos contratos, já que os que foram firmados com a Anatel foram paralisados pelo TCU.

No caso da Telefônica, a empresa promete investir na expansão da rede de fibra óptica, levando FTTH a cidades onde ainda não tem essa infraestrutura. O TAC transformará cerca de R$ 1,7 bilhão de multas em R$ 4 bilhões de investimentos.

Queda nas reclamações

José Félix, da Claro, lembra que as multas tendem a diminuir, graças a ajustes recentes feitos pela Anatel, que equacionaram melhor o valor em relação ao dano ao consumidor. Ele também espera que algumas medidas que as empresas vem tomando ajudem a derrubar as reclamações.

“Tem coisa que a gente está fazendo na Claro que devem  diminuir as reclamações. Um dos maiores motivos de reclamação é a conta errada. Então, com esse negócio de ligação ilimitada, acho que vai desandar. Esse é um dos benefícios de parar de cobrar por ligação”, diz.

Anterior IoT não sobrevive sem o satélite, afirma o segmento
Próximos Para operadoras, concessão virou mico a ser devolvido se lei não mudar