Cisco indica que a internet tende a ficar cada vez mais regional


Estudo da empresa aponta que o tráfego restrito às redes de acesso, sequer cruzando o núcleo de rede das operadoras, vai crescer nos próximos cinco anos. O trânsito de dados entre países também tende a cair porcentualmente.

shutterstock_ Toria_Banda_Larga_internacional_rede_Internet

A internet, apesar de um fenômeno global, tende a ter seu tráfego cada vez mais regionalizado, conforme indica estudo publicado hoje, 08, pela Cisco. O relatório Visual Network Index (VNI) prevê que em 2021 apenas 41% dos dados vão atravessar fronteiras, migrando entre os países. Atualmente, esse volume é de 58% do total.

A mudança acontecerá também em nível local. O consumidor vai acessar cada vez mais conteúdo armazenado nas bordas da rede, mais perto de sua casa, sem precisar contactar o núcleo da rede da operadora. O estudo indica que 35% do tráfego de internet será assim, local, restrito às redes metropolitanas (hoje são 22%). Além disso, 23% do tráfego total global vai se concentrar em backbones regionais, não conectados a redes internacionais (hoje são 20%).

Segundo a Cisco, as previsões são resultado de diferentes tendências e formas de uso da internet, que vão se consolidar até 2021. O fenômeno do consumo de vídeo vai continuar a crescer. Este tipo de conteúdo será nada menos que 80% do tráfego mundial de dados em 2021, ante os atuais 67%. O vídeo tende a ficar armazenado localmente, para permitir entrega mais rápida e mais barata aos usuários.

Outro fator é o avanço das conexões máquina-a-máquina (M2M), que vão passar de 17,1 bilhões para 27,1 bilhões de acessos entre 2016 e 2021. Esse tipo de conexão tende a ser industrial e usado localmente.

Avanço da internet no mundo
O VNI também estima que a quantidade de usuários e o volume de dados vai crescer. Até 2021, serão 4,6 bilhões de pessoas conectadas, 58% da população mundial. Hoje são 3,3 milhões. Além disso, a quantidade de dados cruzando as redes vai aumentar 3x, passando do atual 1,2 zettabyte/ano, para 3,3 zettabytes em cinco anos.

A quantidade de objetos conectados (IoT) vai passar de 27,1 bilhões, dos quais, a metade será M2M, aqueles que dispensam interação humana. A realidade aumentada e os vídeos em realidade virtual vão crescer nada menos que 20x no período. Mas não significa que terão uma grande parcela do tráfego. Pelo contrário, todo o crescimento destes segmentos representará não mais que 1% dos dados da internet do futuro.

Anterior Kassab vai ao TCU em defesa do TAC
Próximos De cada 5 ataques na internet, um é produzido por governos, diz especialista