Cesar Mattos prega solução rápida para aluguel de postes sob pena de impactar o avanço da IoT no país


Salvador, 27 – Há uma falha de mercado na questão do compartilhamento de postes que precisa ser corrigida com rapidez porque pode impactar negativamente na expansão da Internet das Coisas (IoT). O diagnóstico é do secretário de Advocacia da Concorrência e Competitividade do Ministério da Economia, Cesar Mattos, que participou, nesta sexta-feira, 27, durante o INOVATic Nordeste & ISP Business, que acontece em Salvador.

Segundo Mattos, a resolução conjunta da Anatel e Aneel não se mostrou eficiente e o aluguel de postes deve ser objeto de regulação. Ele acha que a destinação de grande parte dos recursos advindos desse compartilhamento para as distribuidoras de energia para a modicidade tarifária precisa mudar.

Sobre o PLC 79, Mattos afirma que o projeto favorece a competição, mesmo com a possibilidade de fechamento vertical do mercado.

Para ele, os aspectos positivos são maiores, como a adoção do mercado secundário de espectro, além de trazer mais segurança para os investimentos na tecnologia 5G.

Em relação ao leilão do 5G, Mattos disse que é preciso avaliar se a divisão dos lotes em blocos de 80 MHz, que garante mais participantes no concurso, pode prejudicar as aplicações que poderão ser feitas em blocos de 100 MHz. “É preciso analisar o trade-off da alocação da frequência em outras partes do mundo”, recomendou.

SeAC

Mattos também defendeu a alteração da Lei do SeAC para permitir que as grandes operadoras invistam em conteúdo. Para ele, as grandes operadoras precisam acompanhar o movimento do mercado, que agora valoriza o conteúdo e não a infraestrutura, ou seja, as teles devem seguir o dinheiro.

Anterior Telebras avisa que não tem dinheiro para fechar o capital
Próximos Grandes prestadores regionais apostam em mais investimentos para conquistar mercados