CenturyLink será MVNO credenciada da Surf Telecom


A CenturyLink vai usar a infraestrutura da Surf Telecom para a oferta de serviços de operadora móvel virtual, com foco em transmissão de dados. O acordo prevê que a companhia norte-americana ofereça a seus clientes no Brasil acessos 3G e 4G complementares à conectividade da redes híbrida que já fornece.

Dona de uma licença de MVNO, a CenturyLink buscava um parceiro para explorar o segmento. Pelo acordo, torna-se uma operadora móvel virtual credenciada da Surf Telecom. Os serviços de conexão móvel serão acrescentados às soluções do produto Hybrid WAN.

“Vamos usar essa rede móvel para transmissão de dados. Vai entrar como alternativa para o acesso a nossa infraestrutura. A MVNO é estratégica para ampliar a forma de acessos e conexões a nossa rede híbrida. Vamos conversar com os clientes e escolher os meios de acesso de acordo com os melhores recursos. Inclusive, a rede móvel pode ser usada de forma simultânea à fixa”, diz Eduardo Freitas, diretor de conectividade, mídia e IP da CenturyLink no Brasil.

Segundo ele, os clientes terão mais flexibilidade para encontrar a solução adequada ao seu perfil. “Ao montar uma rede de internet com uma mescla de acessos como 3G e 4G, LAN-to-LAN e VPN, as empresas têm maior liberdade para escolher qual modelo atende às necessidades do negócio”, afirma.

Ele diz, também, que o acordo abre oportunidades em novas áreas, como o desenvolvimento de produtos em internet das coisas. Mas o foco inicial, por enquanto, é o reforço da conectividade híbrida para transmissão de dados.

A Surf Telecom opera com rede própria em algumas regiões e como MVNO da TIM também. É responsável pela oferta de telefonia móvel com marca dos Correios, de times de futebol (Audax), de igrejas evangélicas e do Magazine Luiza. Até novembro, era uma das operadoras que mais crescia em número de usuários do país, com base total passando de 600 mil usuários.

Anterior Vodafone e Telefónica querem compartilhar rede 5G no Reino Unido
Próximos Anatel atesta cumprimento de 89% da agenda regulatória de 2017-2018