Celulares importados entram na lista de retaliação aos EUA


Aparelhos celulares foram incluídos na lista de bens importados dos Estados Unidos que poderão ter aumento do Imposto de Importação (II) por causa da retaliação comercial que a Organização Mundial do Comércio (OMC) autorizou o Brasil a aplicar em virtude do contencioso do algodão. Pela resolução da Camex (Câmara de Comércio Exterior), a alíquota do …

Aparelhos celulares foram incluídos na lista de bens importados dos Estados Unidos que poderão ter aumento do Imposto de Importação (II) por causa da retaliação comercial que a Organização Mundial do Comércio (OMC) autorizou o Brasil a aplicar em virtude do contencioso do algodão. Pela resolução da Camex (Câmara de Comércio Exterior), a alíquota do II dos celulares subirá de 16% para 32%. Caso não haja uma contraproposta dos EUA, a relação de bens com alíquotas maiores entrará em vigor em 30 dias.

O valor total de retaliação atingido com a lista de bens é de US$ 591 milhões. O governo disse que optou por incluir produtos de bens de consumo final, evitando o aumento da taxação de insumos e produtos intermediários. O Palácio do Itamaraty  informa que tem recebido "indicações" de que os Estados Unidos estariam dispostos a negociar, mas que, até o momento, ainda não foi feita uma proposta concreta. O objetivo do governo brasileiro é que os EUA retirem os subsídios ao algodão.

Além dos celulares, também terão as alíquotas de Imposto de Importações dobradas metanol (com alíquota de 22%), paracetamol (28%), produtos de beleza (36%), leitores de códigos de barras (22%), fones de ouvido (40%), óculos de sol (40%) e veículos de até mil cilindradas (50%), entre outros. (Da redação)

 

Anterior Acionistas aprovam saída da GVT da Bovespa
Próximos Propriedade intelectual e serviços serão incluídos na retaliação aos EUA