Ceará começa a operar o Cinturão Digital em agosto


Em agosto, o governo do Ceará deve colocar em operação dois dos nove trechos nos quais foi dividido o Cinturão Digital, que vai interligar todos os 184 municípios do estado quando todo o projeto estiver concluído. Na primeira fase, serão conectados os 25 maiores municípios, onde vivem 82% da população, por meio da construção de …

Em agosto, o governo do Ceará deve colocar em operação dois dos nove trechos nos quais foi dividido o Cinturão Digital, que vai interligar todos os 184 municípios do estado quando todo o projeto estiver concluído. Na primeira fase, serão conectados os 25 maiores municípios, onde vivem 82% da população, por meio da construção de 3 mil quilômetros de fibra. A oferta da última milha com a tecnologia WiMAX e o custo do projeto, nesta primeira fase, é de R$ 60 milhões.

O governo decidiu realizar este investimento porque apenas cinco dos 184 municípios do estado contavam com banda larga, e não havia interesse da concessionária, no caso a Oi, em ampliar rapidamente a oferta do serviço. "Mas o governo do Ceará não quer ser um prestador de serviços de telecomunicações. Ele vai usar parte da capacidade para interligar todos os órgãos públicos e pretende fazer um leilão para que interessados privados usem a capacidade restante para prover serviços aos cidadãos", disse José Aurício de Oliveira, diretor de cidadania eletrônica da Etice, a empresa de processamento de dados do Ceará.

Se na região metropolitana o estado fez parceria com a RNP para usar a Gigafor, sua rede metropolitana de alta velocidade, complementando com a extensão de trechos para cobrir todos os órgãos estaduais, no interior a parceria é com a Coelce, a companhia de energia do grupo Endesa. Em nenhum dos casos, relatou Aurício, houve algum tipo de remuneração. Para usar a infra-estrutura da RNP, o estado faz a manutenção da fibra; o mesmo também deverá ocorrer no interior.

PUBLICIDADE

No momento, a Secretaria do Planejamento do Ceará, responsável pelo projeto, trabalha na definição do modelo de negócios para a utilização do Cinturão Digital pela iniciativa privada. "Essa definição está consumindo mais tempo do que a definição do projeto em si", disse. Em princípio, o governo do Ceará pretende fazer um leilão para o uso da capacidade excedente da rede, para quatro empresas provedoras de serviços. Essas tanto podem ser empresas locais como as próprias operadoras, já que o objetivo do projeto, além de prover ao governo estadual uma comunicação eficiente e universalizada, é aumentar a competição em telecomunicações e fazer cair os preços. O modelo de negócios deverá ser fechado após um seminário programado para agosto. Oliveira participa do 5o. Wireless Mundi. (Da redação)

Anterior Banda larga móvel cresce 79% em cinco meses
Próximos Governo de SP usa SMS em programa de geração de emprego