Notícias da categroia

Encontro TeleSíntese

Os eventos do TeleSíntese reúnem os executivos do primeiro e segundo escalão das operadoras e fornecedores de equipamentos de redes de telecomunicações


Prefeitura de Belo Horizonte e Governo da Bahia também apresentaram soluções para ampliar conectividade por meio de contratos com a iniciativa privada

Enylson Camolesi, da Vivo, disse que a 5G demandará cinco vezes mais antenas. Marcelo Mejias, da TIM, observou que serão necessários de R$ 300 bilhões em investimentos que não se viabilizarão somente com o capital privado e Fabio Andrade, da Claro, defendeu o uso imediato do Fust, ou o seu fim.

O vice-presidente da Enel, Sidney Simonaggio, acusa que há invasão de propriedade privada, concorrência desleal e risco de acidentes até com morte na ocupação desenfreada dos postes da concessionária de energia elétrica.

Carlos Duprat, diretor executivo do sindicato das teles, aponta que mais de mil pedidos de licenciamento de estação estão parados em São Paulo, situação de vai piorar muito com o ingresso da 5G.

Para Gabriel Fiuza, do Ministério da Economia, outras alternativas de harmonização regulatória entre os setores de infraestrutura devem ser efetivadas- como chamadas públicas para o acesso às valas e regulação conjunta entre Anatel, Aneel e ANTT para o controle do poder de mercado das empresas de cada setor. sobre a infraestrutura compartilhada

O secretário de Gestão, Cristiano Heckert, diz que serviço online dispensa recadastramento anual de 376 mil empresas que vendem ao governo.

Segundo Vitor Menezes (MCTIC), governo quer definir prioridades do país para uso da tecnologia de quinta geração. Pasta também busca arranjo institucional para resolver entraves à instalação de antenas nas cidades e direito de passagem nas rodovias.

CEO da Surf Telecom considera bizarro discutir digitalização das operadoras quando 100 milhões de brasileiros não têm banda larga fixa, 60 milhões não têm conta bancária e 40 milhões estão subempregados.

Para ele, a aprovação do PLC 79, que permite transformar as concessões de telefonia fixa em autorizações e investir o saldo das concessões em projetos de banda largar traz segurança jurídica e investimentos adicionais.

Para Ricardo Hobbs, as operadoras de telecom brasileiras vivem a dicotomia de forte depressão nas receitas e forte demanda por investimentos, mas não vê a transformação digital sem a participação de todos.