Notícias da categroia

Entrevistas

A opinião de especialistas e profissionais de peso no mercado de telecomunicações, tecnologia e também em regulamentação. Em formato ping-pong


A partir de 2018, com a inauguração do cabo SACS, que liga Angola ao Ceará, e do data center, localizado em Fortaleza, ambos, previstos para o primeiro semestre, o Brasil passa a ser prioridade para a operadora de cabo submarino, tanto quanto o continente africano. É o que revela, nesta entrevista, seu CEO, António Nunes.

Cleber Soares - Diretor de Inovação e Tecnologia da Embrapa. Foto: Gustavo Porpino

Braço de pesquisa, desenvolvimento e inovação do MAPA, a Embrapa vem desenvolvendo uma série de atividades de estímulo a startups para o desenvolvimento de projetos voltados ao uso das TICs na agropecuária. Um deles é dedicada à Internet das Coisas, com a aplicação de sensores para o monitoramento da cultura do café.

Aumenta a demanda por soluções FTTH e de fibra óptica para data centes. Corning estima que ao menos 5 milhões de casas receberão fibra até 2020, no Brasil. Até o terceiro trimestre, fabricante já havia registrado receita superior à obtida em todo o ano de 2016 no país.

Osvaldo Di Campli, novo vice-presidente para a América Latina da Nokia, conta que a empresa está se reposicionando para atender mais ao setor público, de transportes, e até de seguros. “Mais do que ser simplesmente um fornecedor de tecnologia, estamos com a estratégia de parceria para atacar certos segmentos verticais”, afirma.

Pierre Marty, vice-presidente de Vendas e Marketing da OFS, unidade de fibra óptica da antiga Lucent adquirida pela Furukawa, não tem dúvidas de que a próxima geração de telefonia celular, a 5G, vai demandar mais fibra, em função tanto do hábito de consumo de conteúdo do internauta como da topologia da rede. Ele também acredita que o aumento da demanda por vídeo, inclusive no âmbito das corporações, e as aplicações especializadas de Internet das Coisas (IoT) vão continuar a exigir a existência de data centers físicos, fora da nuvem, o que também vai continuar consumindo infraestrutura óptica.

Alex Inglês, diretor geral da BT Brasil, afirma que, ao menos enquanto durar o processo no Cade, as grandes operadoras ficarão inibidas de se juntar para concorrer com empresas menores. Executivo comenta, ainda, o impacto do SGDC sobre o valor da capacidade satelital no Brasil e o desafio de recompor resultados com o fim dos contratos com os Correios.

A Finep vai, pela primeira vez, em sua história, financiar a demanda por equipamentos. E começa essa iniciativa por produtos de TIC e telecom. Márcio Girão, diretor de Inovação, detalha aqui o programa, que foi anunciado este ano na Abrint. A instituição tem mais de R$ 600 milhões para emprestar em condições bem vantajosas a qualquer empresa que quer comprar bens enquadrados na portaria 950 do MCTIC. Em outra frente, vai alocar outros R$ 400 milhões para tirar sstartups do “vale da morte” e delas se tornar sócia.

O presidente dos Correios, Guilherme Campos, já negocia com os principais fabricantes de aparelhos para vender os celulares em todas as agências da empresa. E em seu plano de reestruturação, para acabar com o prejuízo de mais de R$ 2 bilhões ainda neste ano, pretende reposicionar a empresa para o competitivo mercado de encomendas.

Photo: Robson Regato

O presidente da Telefônica Brasil, Eduardo Navarro, disse, em entrevista ao Tele.Síntese, que a empresa vai realizar o Capex previsto de R$ 8 bilhões, mesmo se o TAC não for aprovado. Só que a implantação de FTTH no interior de São Paulo – das 19 previstas no ano, 11 são de recursos do TAC – poderá ser postergada nas cidades onde o lançamento de fibra ainda está em fase de projetos.

Para o conselheiro Igor de Freitas, o plano de recuperação judicial inteiro significa principalmente a injeção de recursos novos na companhia de acionistas, para que ela consiga fazer os investimentos que precisa