Residências do “Minha Casa, Minha Vida” terão fibra óptica na Paraíba


A Associação Nacional para Inclusão Digital (Anid) firmou acordo com o governo da Paraíba para instalar fibra óptica em 66 casas da cidade de Cajazeiras, no sertão do estado. As residências fazem parte do programa Minha Casa, Minha Vida, que tem estímulos do Governo Federal.

A instalação faz parte de parceria firmada na semana passada entre a Associação e a Companhia Estadual de Habitação Popular da Paraíba (Cehap), que pretende levar a iniciativa a outras cidades. “A ideia é, onde colocar um projeto residencial, já ir preparando os conjuntos para fibra óptica. A gente já estuda a questão de colocar os dutos, preparar os projetos, e operacionalizar o que cabe à parte pública”, explicou Emília Correia Lima.

Segundo Percival Henriques, presidente da Anid, os recursos para a implantação da rede de fibra óptica têm o aval do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, e não irão onerar o estado ou município. “Aqui em João Pessoa, onde tiver o programa Minha Casa, Minha Vida, temos interesse em colocar internet. Além das casas, locais públicos como praças, por exemplo, podem dispor de internet subsidiada”, completou.

Antes de se reunir com a presidente da Cehap, Percival Henriques conversou com o secretário de Interiorização do Estado da Paraíba, Carlos Antônio, que, representando o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, formatou a parceria para levar a inclusão digital às 66 casas de Cajazeiras.

“Cajazeiras foi escolhida, inicialmente, porque está na ponta, é a região mais longínqua do estado. Para termos um feedback positivo neste projeto, é necessário linkar a capital do estado – onde os fatos acontecem política e economicamente – com a última região, encurtando distâncias, permitindo que as pessoas do povo possam ter acesso a uma comunicação mais rápida com as informações e fatos”, disse o secretario.

Na próxima quarta-feira (12) a presidente Dilma Rousseff deve anunciar novidades quanto Minha Casa, Minha Vida. Uma deles pode ser uma linha de crédito, com juros de 5% anuais, para compra de computadores e eletrodomésticos. “O Governo distribui tablet nas escolas, mas não disponibiliza internet. Agora, as pessoas vão poder comprar computadores com taxas mais baixas, e é preciso que haja a acessibilidade à internet”, alegou Henriques. (Fonte: Redação Arede)
 

Anterior Teles garantem capacidade máxima em estádios, mesmo sem concluir projetos.
Próximos Bernardo pode incluir cobertura de distritos como metas para licitação da faixa de 700 MHz