Capacidade de rede crescerá 1000x até 2020, diz Qualcomm


Segundo Cristiano Amon, vice-presidente executivo da Qualcomm Technologies, a expectativa por banda do usuário só cresce, bem como seu consumo. Ele estima que 72% do tráfego móvel em 2019 será gerado por vídeo. E com o crescimento da internet das coisas, a companhia estima entre 25 bilhões e 50 bilhões de aparelhos conectados à rede em 2020. “A capacidade da rede deverá aumentar 1000x até lá”, disse.

Amon falou hoje, 27, durante a Futurecom 2015, evento do setor de telecomunicações que acontece em São Paulo até 29 de outubro. A solução será liberar mais espectro e agregar portadoras. “A agregação de portadoras precisa de mais banda para aumentar a velocidade ao usuário, mas também aumenta a eficiência e a cobertura da rede”, ressaltou. Segundo ele, a agregação está no plano de investimentos de 142 operadoras, em 62 países. Com isso em mente a companhia desenvolveu o chipset Snapdragon 820, lançado em setembro e que deve chegar ao mercado, nos smartphones, no segundo trimestre de 2016.

“Colocamos dentro do modem a combinação de agregação de portadora a 600 mbps, agregando três portadoras LTE, e com WiFi de três bandas, em 2,4 GHz, 5 GHz, e de 60 GHz, que permite velocidade de até 5 Gbps em curtas distâncias”, lembrou Amon.

Além das portadoras, Amon aposta as fichas na liberação do uso do espectro não licenciado e em tecnologias que permitam aos celulares migrar das redes móveis ao WiFi de maneira transparente e imperceptível ao usuário. “Isso permite aumentar a banda disponível ao usuário, e oferece novos serviços, como por exemplo, acesso a internet no ambiente corporativo no lugar da rede própria da empresa”, disse.

Ele destacou que o espectro não licenciado está sendo padronizado para que todos os operadores de telefonia móvel possam combiná-lo com o licenciado. “O uso combinado de espectro é uma realidade. Hoje nós não enxergamos diferença entre uma rede móvel e WiFi. Os chips da Qualcomm integram conectividade de espectro licenciado e não licenciado. Os sistemas já não falam mais em LTE e WiFi, mas em operação conjunta”, frisa. A Qualcomm produz cerca de 60% dos modens que equipam os celulares do mundo.

Amon lembrou que não será o 5G responsável pelo aumento da capacidade, mas o 4G. “O 5G tem o papel de atender a missão crítica, de assegurar conectividade em 99,99% do tempo. Isso será fundamental para novas aplicações, como os carros autônomos”, lembrou. Antes disso, para transmissão de dados, o executivo calcula que nenhum carro saia de fábrica sem um modem 4G a partir do final de 2016.

Anterior Patuano, da Telecom Italia, diz que consolidação com Oi, só com mudança no marco regulatório pelo Congresso Nacional
Próximos Fabricante chinesa Meizu chega ao Brasil em parceria com importadora