Campanha de desligamento de TV analógica começa nesta quarta no DF


Começa amanhã, 8 de abril, a campanha nas emissoras de TV do Distrito Federal e da cidade de Rio Verde, em Goiás, para o desligamento dos sinais da TV analógica. Espectadores poderão tirar dúvidas por call center, pelo número 147. Segundo o presidente da Anatel, João Rezende, somente residências hoje com aparelho de TV analógica serão afetados, o que exclui os assinantes de TV paga e os que recebem o sinal por antena parabólica. “Dos 66 milhões de residências que existem no Brasil, apenas 30 milhões de domicílios serão atingidos pelo desligamento”, afirma. O desligamento em Brasília está previsto para acontecer em 6 de abril de 2016. Rio Verde, cidade piloto, terá o desligamento em novembro deste ano.

Começa amanhã, 8 de abril, a campanha nas emissoras de TV do Distrito Federal e da cidade de Rio Verde, em Goiás, para o desligamento dos sinais da TV analógica. Estará disponível um call center para os esclarecimentos de dúvidas, de número 147. Segundo o presidente da Anatel, João Rezende, somente serão afetadas as residências que têm hoje aparelho de TV analógica, o que exclui os assinantes de TV paga e aqueles que recebem o sinal pela antena parabólica.

“Dos 66 milhões de residências que existem no Brasil, apenas 30 milhões de domicílios serão atingidos pelo desligamento”, afirma ele. O fim das transmissões analógicas em Brasília está previsto para ocorrer em 6 de abril de 2016. Rio Verde, cidade piloto, terá o desligamento em novembro deste ano.

Segundo Rezende, nem todas as residências serão afetadas pelo fim das transmissões analógicas. Isto porque, explica,  20 milhões de residências têm hoje algum tipo de TV por assinatura. Há também milhares de residências com antenas parabólicas, que recebem os sinais pela banda C do satélite, e que também não precisarão mudar os seus aparelhos de TV. Além disso, existem 3 milhões de lares brasileiros que não têm qualquer aparelho de TV, e que por isto também não estão sendo considerados para efeito de atendimento da meta de universalização de 93% dos lares com sinais de TV digital, antes do desligamento definitivo do sinal analógico.

Segundo o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, o objetivo do governo é não excluir qualquer telespectador que assista hoje à TV. “O governo quer que 100% dos domicílios brasileiros tenham TV digital terrestre. O objetivo é seguir o cronograma, com muita responsabilidade, eficiência e carinho”, afirmou ele. O cronograma prevê o desligamento paulatino das emissoras de TV analógicas até 2018.

A Abert não concorda com os critérios da anatel no que se refere ao número de residências que devem ser atendidas para cumprir a da terminação do ministério das comunicacoes de desligamento do sinal quando a TV digital chegar em 93% dos lares. Para Daniel Slavieiro, presidente da entidade, a base para o cálculo do desligamento deve ser todas as residências aptas a receber o sinal digital. Com ou sem tv paga, com ou sem antena parabólica. Esta questão, entende, deve ser decidida até junho pelo gired.

Anterior Ex-Facebook vai dirigir área de segurança digital do Uber
Próximos Huawei começa a vender nova arquitetura de data center no país