Câmara aprova PL do Uber, que vai à sanção presidencial


Mesmo sem consenso, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (28) duas de três emendas do Senado ao projeto de lei que regulamenta os serviços de transporte por aplicativos, como Uber e Cabify. Com isso, foram retiradas as exigências como do uso da placa vermelha, de o motorista ser proprietário do veículo e a obrigatoriedade de autorização específica do poder municipal para cada motorista. O texto irá agora à sanção presidencial.

A única emenda rejeitada pretendia retirar dos municípios a atribuição de regulamentar a atividade e também a exclusividade de fiscalização. Dessa forma, continua no texto a exclusividade dos municípios para regulamentar e fiscalizar esse tipo de serviço.

Para exercer a atividade, haverá certas exigências: veículo que atenda às características exigidas pela autoridade de trânsito e pelo poder público, com idade máxima estipulada pelo município; e carteira do motorista na categoria B ou superior com informação de que exerce atividade remunerada.

De acordo com o texto, os municípios terão de seguir três diretrizes na regulamentação do serviço: efetiva cobrança de tributos municipais pela prestação dos serviços; exigência de seguro de acidentes pessoais de passageiros (APP) e de seguro obrigatório de veículos (DPVAT); e exigência de o motorista inscrever-se como contribuinte individual do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Será considerado ilegal o transporte remunerado privado individual que não seguir os requisitos previstos na futura lei e na regulamentação municipal. Para representantes do Uber, o texto aprovado é equilibrado.

Anterior Publicidade financiará WiFi grátis de Claro e Net
Próximos Operadoras móveis desligaram 258,7 mil chips em janeiro