Call centers de teles continuam liderando queixas


Os call centers das operadoras de telefonia celular e fixa continuam liderando o número de reclamações desde a entrada em vigor das novas regras, em 1º de dezembro do ano passado. De acordo com informações do Ministério da Justiça, desde a vigência do decreto, foram instaurados 204 processos administrativos pelos integrantes do Sistema Nacional de …

Os call centers das operadoras de telefonia celular e fixa continuam liderando o número de reclamações desde a entrada em vigor das novas regras, em 1º de dezembro do ano passado. De acordo com informações do Ministério da Justiça, desde a vigência do decreto, foram instaurados 204 processos administrativos pelos integrantes do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor – 4,74 processos por dia útil. A Oi foi multada pelo Procon do Espírito Santo, em R$ 51 mil e a Embratel, autuada sete vezes, foi multada em R$ 82 mil, pelo Procon do Distrito Federal.
 
As reclamações contra as operadoras de telefonia celular chegaram a 515 em dois meses e, de telefonia fixa, ficou em 496 registros. As operadoras de TV por assinatura ocupam o sexto lugar, com 70 queixas. Os dados são calculados pelo barômetro Sindec, instrumento de medida utilizado pelo Departamento de Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça.
 
A TIM foi a operadora móvel mais reclamada, com 175 registros; seguida da Claro, com 111; Brasil Telecom, com 86:  Oi, 54 e Vivo, com 42 reclamações.

Na telefonia fixa, a liderança é da Brasil Telecom, com 223 queixas. Em segundo lugar vem a Oi, com 111 reclamações; seguida da GVT, com 68; Embratel, com 33 e Net, com 26.

Entre as operadoras de TV por assinatura, a Net recebeu o maior número de queixas nos órgãos de defesa do consumidor, com um total de 64 registros. A Sky ficou em segundo lugar com nove reclamações, seguida da MaisTV com três e TVA, com duas. (Da redação)

Anterior Ponto extra e certificação de aparelhos WiMax na pauta de hoje da Anatel
Próximos Alcatel reduz perdas no 4T08 mas acumula prejuízo de € 5,2 bi no ano