Cade considera complexa a fusão AT&T – Time Warner na Sky e resolve ampliar a investigação


at&t logoA Superintendência Geral do agência antitruste brasileira (o Cade), a primeira instância a decidir se um processo de fusão deve ser aprovado a priori, ou se deve ser encaminhado par a deliberação do colegiado, considerou “complexa” a operação de compra dos estúdios Time Warner pela AT&T, que no Brasil controla a operadora de TV paga, Sky, e decidiu ampliar as investigações.

Conforme o parecer da superintendência, a análise realizada até agora aponta que ” a operação proposta pode aumentar a probabilidade de coordenação entre os maiores players de TV por assinatura e de programação”.

Por isso, decidiu ampliar as investigações, para apurar, principalmente, três aspectos. A análise dos incentivos para adoção de práticas anticompetitivas verticais e possibilidade de coordenação entre os dois grupos que fazem parte do negócio; estudos de marketing para averiguar se haverá pressão competitiva das novas plataformas de distribuição de conteúdo; e estudo das eficiências econômicas que poderão ser geradas com essa aquisição.

Na decisão, a superintendência sugere que deverá pedir a ampliação do prazo para deliberar sobre a questão. Ela tem 240 dias para dar a palavra final sobre um processo, e já se passaram quase 100 desde que a AT&T deu entrada ao pedido. Mas o órgão pode pedir prorrogação de mais 90 dias após o tempo regulamentar. A decisão final do Cade terá que ocorrer até 21 de fevereiro de 2018.

A seguir, as três justificativas apresentadas pela superintendência, para pedir a ampliação da diligência:

  1. A instrução realizada até o momento por esta Superintendência-Geral (SG) aponta que, para além dos debates afetos ao cumprimento da regulação setorial – isto é, mesmo limitando-se a análise aos aspectos concorrenciais – a operação proposta pode resultar em uma estrutura verticalizada que, em tese, teria incentivos para práticas anticoncorrenciais. Além disso, esta SG ainda analisa se a presente operação pode aumentar a probabilidade de coordenação entre os maiores players de televisão por assinatura e de programação.
  2. Em decorrência das informações já trazidas aos autos, esta SG considera necessário o aprofundamento da investigação acerca das condições de contestabilidade e rivalidade entre os players atuantes nos mercados de programação e distribuição de televisão por assinatura, bem como um aprofundamento do entendimento acerca da alegada pressão competitiva exercida pelas novas plataformas de distribuição de conteúdo nos mercados diretamente relacionados a esta operação. Nesse sentido, registre-se que respostas de alguns ofícios enviados para concorrentes da TW ainda estão pendentes.

  3. Dessa forma, faz-se necessário analisar detidamente as informações já trazidas aos autos em sede de instrução, bem como, oferecer aos Requerentes a possibilidade de apresentação de informações adicionais que contribuam para avaliação do caso.

Anterior Oi reforça equipes da área digital
Próximos Agência antitruste abre investigação contra Telecom Italia, que diz ter atuado dentro das regras