Cade vai apurar práticas anticompetitivas no mercado financeiro


Órgão antitruste quer evitar abusos das empresas de cartões que dificultam o desenvolvimento de novos concorrentes e novos modelos de negócios disruptivos, como as fintechs

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade)  abriu inquérito administrativo para investigar eventuais práticas anticompetitivas no mercado financeiro e de meios de pagamento eletrônico, em especial os efeitos decorrentes da verticalização no setor. O órgão antitruste pretende apurar, em especial, eventuais abusos relacionados a práticas que tenham por objetivo dificultar o surgimento e o desenvolvimento de novos concorrentes e novos modelos de negócios disruptivos, como as fintechs.

O pedido de apuração foi formulado após aprovação de relatório produzido pelo Grupo de Trabalho da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal, que registrou preocupações concorrenciais envolvendo o mercado. Denominado “Inovação e Competição: novos caminhos para redução dos spreads bancários (custos e margens de intermediação financeira)”, o documento apresenta um diagnóstico a respeito de problemas estruturais do setor financeiro, com especial atenção aos custos de intermediação, que levam o Brasil a ter um dos maiores spreads bancários do mundo.

O Cade recomendou também que o Departamento de Estudos Econômicos da autarquia elabore estudo para avaliar os efeitos da verticalização sobre a concorrência no setor financeiro, considerando as contribuições apresentadas na audiência pública realizada pelo Cade. O objetivo é subsidiar futuras medidas por parte da autarquia e dos demais atores responsáveis pela regulação desse mercado.

Banco Central

Em outra iniciativa, o Cade e o Banco Central do Brasil (BC) aprovaram o Ato Normativo Conjunto nº 1, que estabelece procedimentos para harmonizar e tornar mais eficientes as respectivas ações em atos de concentração e na defesa da concorrência no âmbito do Sistema Financeiro Nacional (SFN). O ato estava previsto no Memorando de Entendimentos (MoU) firmado entre as duas autarquias em 28 de fevereiro.

O ato prevê, entre outras medidas, o compartilhamento de informações entre o Cade e o BC para a realização de atividades na esfera concorrencial e a realização de reuniões periódicas entre os dois órgãos. Nessas reuniões poderão ser discutidos temas que requeiram ação normativa das duas autarquias e que tenham impacto na concorrência entre instituições submetidas à supervisão do BC. Os dois órgãos também poderão utilizar esses encontros para avaliar a cooperação técnica em processos administrativos relacionados com atos de concentração e com a apuração de infrações à ordem econômica envolvendo instituições supervisionadas pelo BC.

O ato normativo inclui ainda os procedimentos para realização de atividades previstas no MoU, como aquelas relacionadas à aprovação, pelo BC, de atos de concentração vinculados à manutenção da estabilidade do SFN, bem como notificações, do Cade ao BC, sobre processos administrativos destinados à apuração de infrações concorrenciais envolvendo instituições supervisionadas pelo BC.(Com assessoria de imprensa)

 

Anterior Cisco não tem pressa em fazer novas aquisições, afirma Stewart
Próximos Vivo irá expandir FTTH em modelo "pay as you grow"

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *