Brisanet interliga com fibra cidades cabeadas e já oferece IPTV


Agora em abril, a Brisanet iniciará mais uma importante etapa de sua expansão, ao interligar com backbone de fibra óptica as nove cidades que cabeou com fibra e tecnologia Gpon. A provedora de internet que atende partes do Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba, num total de 150 cidades, uma área semelhante à do estado de São Paulo, é um dos exemplos de ISPs investindo na ampliação da capacidade de rede para ampliar a oferta de serviços.

“A rede está sendo construída para ofertar internet, telefonia fixa e TV por assinatura. Na última semana de fevereiro, iniciamos nossa operação de IPTV. Hoje podemos oferecer um pacote de acesso à internet de 10 Mbps por R$ 80. No caso da oferta de TV, temos pacotes muito semelhantes aos oferecidos pelas grandes operadoras, mas com qualidade superior porque nossa rede suporta alta capacidade. Nós não compactamos o conteúdo”, explica o presidente da Brisanet, Roberto Nogueira.

O tipo de serviço comercializado pela Brisanet pode ser, e não raras vezes, superior aos disponíveis em áreas de grandes centros urbanos. E, no entanto, Nogueira diz que o foco principal da provedora de internet são as pequenas vilas, distritos e áreas rurais.  Mas são as cidades maiores, com população entre 30 mil e 300 mil habitantes, as que receberam redes de fibra com transmissão na tecnologia GPON.

“O Brasil será todo reconstruído nessa plataforma de GPON. E, nas pequenas cidades, as mais desassistidas, serão construídas redes por pequenas operadoras. Em cada estado há duas ou três já construindo rede com fibra óptica”, destaca.

Backbone
Com 200 mil home passeds, a Brisanet já conta com 20 mil clientes conectados. Mas a expectativa é grande para o avanço em número de acessos que deve obter a partir da interligação das cidades com backbone de fibra óptica.  “Já estamos iluminando as fibras com capacidade de 200 Gbps. Quando acabarmos, teremos um crescimento acelerado da nossa base de clientes por conta da maior capacidade”, detalha Nogueira. A expectativa é chegar ao final de 2015 com faturamento 50% maior do que o registrado no ano anterior.

O projeto de backbone em fibra óptica da Brisanet só foi possível porque a empresa venceu a concessão para a construção do Cinturão Digital do Estado do Ceará, da Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice). O contrato de concessão vai garantir à ISP R$ 150 mil/mês por 15 anos, mas, mais importante que isso, possibilitou à companhia contornar o aluguel cobrado pelo uso da faixa de domínio. Atualmente, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes cobra R$ 3 mil/ano por km “usado”.

Não à toa, o foco principal da Brisanet é ganhar concessões de rede para expandir a área de atuação. A meta é dobrar o tamanho da rede a cada ano. As concessões também ajudam a contornar outro grande desafio dos pequenos provedores: a impossibilidade de contatar linhas de crédito do BNDES, porque o banco de desenvolvimento não aceita as redes como garantia. “É um absurdo. São as redes mais modernas que existem no mundo e, no entanto, não valem nada”, diz Nogueira.

Anterior Oi anuncia novos direitos para donos de preferenciais na próxima semana
Próximos Receita da Red Hat cresce 17% no ano fiscal de 2014

1 Comment

  1. Erick
    27 de Março de 2015

    Eis ai um modelo de Inclusão Digital que poderia ser implementado em nosso pais pois os provedores regionais é que podem diminuir cada vez mais esse “fosso” digital que temos, pois eles sabem como atender estes clientes nas regiões mais remotas e isoladas as grandes operadoras pressionam para que isso nõ ocorra mais temos que cada vez mais estarmos unidos em prol destas melhorias.