Brasileiros passam 36% do dia consumindo VOD


Os consumidores brasileiros de TV, séries, shows e filmes já passam 36% de seu dia vendo programação sob demanda. Na conta entram não apenas conteúdos vistos por aplicativos, mas também material baixado e gravado digitalmente. O número fica acima da média mundial, em que os espectadores ficam 35% do tempo diante de conteúdo sob demanda.

A conclusão é do estudo TV & Media, feito pelo ConsumerLab, área de pesquisa comportamental da Ericsson, e cuja amostra representa 680 milhões de pessoas. A conclusão da companhia, com base no material, é que os serviços de vídeo sob demanda estão atendendo as necessidades dos espectadores atuais.

O relatório mostra que os usuários agora passam seis horas por semana assistindo à transmissão de TV, séries, programas e filmes sob demanda – o dobro do registrado em 2011. Valor que sobre para 8h38 quando somado ao conteúdo baixados ou gravados. O motivo para o aumento do consumo sob demanda pode estar na insatisfação com a programação linear. A pesquisa aponta que 66% dos consumidores brasileiros não conseguem encontrar nada para assistir na programação diária da sua TV tradicional.

O consumo de vídeo em dispositivos móveis também subiu. Hoje, 61% dos entrevistados assistem a vídeos nos seus smartphones para esse tipo de conteúdo – um aumento de 71% desde 2012. Os adolescentes são os principais adeptos: dois terços do tempo que passam assistindo TV e vídeos são gastos em tablets, notebooks e smartphones.

As plataformas de conteúdos gerados pelos próprios usuários também cresceram. Aproximadamente um em cada 10 consumidores assiste ao YouTube por mais de três horas por dia, e um em cada três agora considera muito importante poder assistir esse tipo de vídeo em sua própria TV. O estudo constata que a crescente importância dessas plataformas resultou em um aumento da popularidade de vídeos educativos e instrutivos, que atingiram uma média de 73 minutos de visualização por semana.

Assistir a vários episódios de uma série ou um programa em sequência tornou-se parte fundamental da experiência de TV e vídeo atual. Esse hábito se destaca entre usuários de plataformas de assinatura de vídeos sob demanda (da sigla em inglês, S-VOD), como Netflix, Amazon Prime e HBO. Ao menos 87% dos entrevistados assistem a vários episódios em sequência pelo menos uma vez por semana.

No mundo, 22% dos consumidores que nunca tiveram uma assinatura de TV paga já estão pagando por serviços de conteúdo over-the-top (OTT) – ou seja, pela internet. Mas a TV tradicional ainda é importante, devido ao acesso que ela dá para a visualização de conteúdo premium e ao vivo, como esportes, além de seu valor social, conclui a Ericsson.

Para fazer o relatório, o ConsumerLab ouviu mais de 22,5 mil pessoas. As entrevistas foram feitas com consumidores entre 16 e 69 anos, em 20 mercados: Brasil, Canadá, China, Colômbia, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, México, Portugal, Rússia, Espanha, Coreia do Sul, Suécia, Taiwan, Turquia, Reino Unido, Ucrânia e EUA. Todos os entrevistados possuem uma conexão de internet de banda larga em casa e assistem a TV e vídeo pelo menos uma vez por semana. Quase todos usam a internet diariamente. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Divisão nova da Positivo venderá celular diretamente ao consumidor
Próximos Big Data, Smart Grid e IoT no novo Plano Diretor da CPFL