Brasileiro troca menos de smartphone e quer bateria que dure mais tempo


Pesquisa feita pelo Ibope a pedido da Qualcomm confirmou o crescimento dos smartphones no país. E apontou também que 75% dos entrevistados usam o celular para acessar redes sociais e que 91% ficam com o mesmo aparelho por mais de um ano, enquanto em 2014 metade já tinha trocado de aparelho. O sonho de consumo é ter uma bateria de maior duração

shutterstock/ Thep Urai
shutterstock/ Thep Urai

Pesquisa encomendada pela Qualcomm ao Ibope apontou crescimento da taxa de penetração de smartphones no país, que passou de 19% em 2014 para 40% em 2016. Realizado com o objetivo de identificar tendências no mercado brasileiro de smartphones e traçar o perfil comportamental do usuário, o levantamento informa ainda que sete de cada dez smartphones no país possui SIM Card múltiplo e que quatro de cada dez usuários utiliza com frequência mais de um cartão.

Entre alguns outros destaques está o maior tempo de permanência com o mesmo smartphone pelos usuários brasileiros. Hoje, 91% ficam com o mesmo aparelho por mais de um ano. Em 2014, esse percentual era de 50%. Além disso, o uso para diversão continua sendo maior (57%) do que para trabalho (24%).

O uso do celular para acessar redes sociais é mencionado por 75% dos entrevistados. Outros 75% também dizem utilizar o aparelho para tirar fotografias, enquanto o envio de mensagens é mencionado como uma das principais atividades por 37%.

Além disso, a bateria com maior duração é apontada como item de maior desejo por 58% dos usuários quando questionados sobre o que gostariam de ter caso venham comprar um novo smartphone. A capacidade de armazenamento dos aparelhos é mencionada por 50% e maior resistência a quedas e impactos, por 47%.

Os dados do estudo, realizado em 2016, atualizam resultados de pesquisa anterior, de 2014. O Ibope efetuou 800 entrevistas presenciais e via internet com homens e mulheres, donos de smartphones, na faixa etária de 18 a 54 anos, das classes sociais A, B, C, residentes em todas as regiões do Brasil. (assessoria de imprensa).

Anterior Novo marco para as agências reguladoras aguarda votação em comissão especial
Próximos Ranking lista as 100 cidades mais receptivas à infraestrutura de telecom