Brasil tem potencial para 400 mil usuários de GPON em 2008


O mercado brasileiro de GPON (Gigabit Passive Optical Network) pode atingir 400 mil usuários em 2008. A tecnologia de fibra, vista como sucessora da DSL, é a grande aposta da indústria para este ano, por sua alta capacidade de transmissão de dados, que permitiria, por exemplo, o transporte de banda larga de alta velocidade, voz, …

O mercado brasileiro de GPON (Gigabit Passive Optical Network) pode atingir 400 mil usuários em 2008. A tecnologia de fibra, vista como sucessora da DSL, é a grande aposta da indústria para este ano, por sua alta capacidade de transmissão de dados, que permitiria, por exemplo, o transporte de banda larga de alta velocidade, voz, dados e IPTV, em uma mesma rede. Segundo Thiagao Haidar, engenheiro de produtos da ZTE, as operadoras estão buscando o GPON devido a uma necessidade natural de largura de banda. “Ela é a continuidade natural das redes de cobre, para complementá-las”, explica o executivo.

Ele avalia que há entraves para a adoção em massa da tecnologia hoje, como a criação de serviços que demandem tamanha largura de banda, além da interoperabilidade entre os fabricantes de equipamentos, mas acredita que estes obstáculos tendem a diminuir com o tempo. No entanto, ele considera que o crescimento de banda vai  tornar cada vez mais necessário a massificação de uma tecnologia como o GPON, orientada para o acesso bem próximo do cliente. Haidar diz ser ainda cedo para previsões específicas, mas avalia que “o potencial de crescimento do GPON vai se dar entre 10% do total de assinantes das redes de banda larga de cobre hoje, que representariam o segmento premium, do público que tem condição financeira e viabilidade técnica para ter o serviço sobre uma rede GPON”, calcula. A tecnologia teria potencial para atingir aproximadamente 400 mil assinantes durante esse ano, no Brasil, calcula o executivo.

Estimativa semelhante é compartilhada por Clayton Cruz, diretor de evolução de redes da Ericsson, avaliando que o GPON será a teconologia que vai habilitar de maneira consistente o triple play (voz, dados e vídeo). “A penetração de banda larga fixa no Brasil é baixa, porque o cobre tem um alcance limitado. Portanto percebemos que o GPON vai poder chegar a áreas não atendidas, e vai ajudar a aumentar a penetração do serviço”, destaca. Ele cita análise da Infonetics prevendo que em 2009 o GPON representará uma mercado de US$ 2 bilhões, salto significativo, considerando-se que o mercado de PON movimentou US$ 100 milhões em 2006. Para Cruz, o mercado latino-americano tem potencial de atingir 1 milhão de assinantes até o final deste ano. “Avaliamos que 30% a 40% desse mercado seja representado pelo Brasil, principalmente porque a penetração de banda larga no país é baixa, e mesmo com a entrada da banda larga móvel, não há largura de banda equivalente a da GPON”. Ou seja, a análise do executivo também aponta para entre 300 mil e 400 mil usuários da tecnologia no país, já em 2008.

Anterior UE: Bélgica, Polônia e Portugal podem ser processadas por quebra de regras de telecom
Próximos Embratel Participações lucra R$ 840,8 milhões em 2007