Brasil Telecom admite estudar a separação estrutural


O diretor de regulamentação da Brasil Telecom, Luiz Otávio Marcondes, afirmou hoje, durante o 8º Encontro Tele.Síntese, que a concessionária vai estudar com afinco a separação estrutural, proposta formulada pelo conselheiro Pedro Jaime Ziller, para conhecer melhor os impactos dessa mudança  para a empresa e para a prestação do serviço. “Não somos, a priori, contra …

O diretor de regulamentação da Brasil Telecom, Luiz Otávio Marcondes, afirmou hoje, durante o 8º Encontro Tele.Síntese, que a concessionária vai estudar com afinco a separação estrutural, proposta formulada pelo conselheiro Pedro Jaime Ziller, para conhecer melhor os impactos dessa mudança  para a empresa e para a prestação do serviço. “Não somos, a priori, contra ou a favor da proposta e, por isso, nos dispomos a estudar o assunto”, afirmou ele.
Ele entende que uma mudança deste porte – ou seja, a Brasil Telecom se dividiria em duas empresas, uma de rede e outra de prestação de serviços, a exemplo do que ocorreu na Inglaterra – provocará alterações relevantes no atual modelo de telecomunicações, inclusive na prestação do serviço. “Hoje, temos grandes obrigações com os serviços públicos e isso deverá ser levado em conta se houver essa separação”, afirmou.
Para Marcondes, entre os desafios a serem enfrentados nos próximos quatro anos estão o de conciliar o avanço tecnológico com o ambiente regulatório e estimular o surgimento de mais players capazes de oferecer multisserviços. E, como condição perene, defende, deve estar sempre presente uma agência reguladora forte e independente.
  

Anterior Em comunicado, Telefônica afirma que parcerias com TVs pagas cumprem legislação.
Próximos A receita da TelComp para superar “falhas” da privatização