Brasil sobe sete posições no ranking da UIT puxado por internet em casa e banda larga no celular


O Brasil subiu sete posições no ranking da UIT (União Internacional de Telecomunicações) em apenas um ano, no balanço sobre os serviços de comunicações em 155 países, divulgado pela instituição, intitulado “Measuring the Information Society”. Conforme o documento, em 2011 o Brasil ficou com a posição de número 60 entre os países mais desenvolvidos no que se refere à sociedade da informação. Em 2010, o país ocupada a 67ª posição. Com este rápido crescimento em apenas 12 meses, o país foi incluído entre o “mais dinâmicos do mundo” pela instituição.

 

Os maiores progressos foram identificados no crescimento do acesso aos serviços de telecomunicações, aponta o relatório. O número de residências com computadores e com acesso à internet cresceu 10% de um ano para outro. E o incremento da banda larga no celular mais do que dobrou entre 2010 e 2011, e está, no momento, segundo a UIT, em 21%, a mais alta da América Latina.

 

O estudo aponta ainda que fora a telefonia fixa, que todos os indicadores que compõe o index da UIT cresceram no Brasil. Conforme a entidade em 2011, um único município brasileiro não tinha ainda acesso ao celular.Em relação à internet nas residências, a UIT assinala que o acesso a internet residencial do Brasil está se aproximando ao do Chile e ao do Uruguai, crescimento atribuído ao PNBL lançado pelo governo.

O Brasil já ocupa a terceira posição em números de banda larga móvel ativa por 100 habitantes, perdendo para os Estados Unidos e Canadá.Mas a diferença ainda é grande: O Brasil tem pouco menos de 20% de penetração contra mais de 65% dos Estados Unidos e mais de 35% do Canadá.

 

Na banda larga fixa, a posição brasileira frente à média das Américas é muito desvantajosa, quando o país tem menos de 5% de peneteração, e a média dos países americanos é de pouco menos de 25%.

 

Anterior Mais celular do que gente em 2014 no mundo
Próximos Anatel dá primeiro passo para criar a entidade supervisora de oferta de atacado