Brasil terá a plataforma de inteligência cognitiva da Telefónica



JMAlvarezPallete-telefonica-mwc-2017Barcelona –
Parecia mais um apresentação do Facebook, do Google, ou de qualquer outra empresa do mundo OTT.  Além do ambiente futurista e da apresentação repleta de sonhos, o presidente da Telefónica, José María Álvarez-Pallete, se despojou de seu tradicional terno escuro para ir ao palco e  apresentar o mais recente serviço da empresa. Chegou a AURA, a plataforma de inteligência cognitiva, criada para  estabelecer uma nova forma de relacionamento com o cliente.

“Nunca antes os usuários de serviços de telecomunicações puderam falar com as redes em tempo real. Estamos mudando essa relação, abrindo novas possibilidades para que nossos clientes enriqueçam sua vida digital conosco”, afirmou Álvarez-Pallete.

Segundo Chema Alonso, Chief Data Officer de Telefónica, Inglaterra, Alemanha, Espanha e Brasil serão os primeiros países a usar a plataforma. O sistema poderá resolver dúvidas do usuário sobre os produtos e serviços contratados com a operadora; dar início e acompanhar as reclamações; ligar e bloquear acesso ao WiFi de casa; dar informações sobre programas da TV por assinatura; e  alertar quando o consumo de dados esteja superior ao normal, como primeiros passos.

Para a empresa, o AURA oferece muito mais do que os atuais sistemas já conhecidos (como o Siri da Apple) ou o Google Assistant. “Os dados serão transformados em conhecimento que serão colocados nas mãos de nossos clientes”, disse Chema Alonso.

Decisão é do usuário

O presidente da Telefônica do Brasil, Eduardo Navarro, explicou que sempre o usuário é quem vai decidir o que vai fazer com os seus dados. “Nós jamais vamos pegar o dado do cliente sem permissão. Os dados pertencem a ele. E ele vai decidir o que fazer – seja para uma missão de caráter humanitário, como o compartilhamento para o programa da Unicef para o controle de epidemia, seja para conseguir de uma seguradora um desconto maior no seguro do carro, com as informações de direção que estão armazenadas no celular”, afirmou o executivo.

Para desenvolver o que chama de quarta plataforma – na qual a empresa investiu € 48 milhões nos últimos dois anos -, a Telefónica firmou parcerias com diferentes empresas. Na demonstração do produto, durante o MWC 17, a operadora levou como parceiros a Microsoft, o Facebook e a Unicef, entre outros.

*A jornalista viajou a convite da Huawei

Anterior Huawei mira países emergentes para a transformação digital com as teles
Próximos "Nível de crescimento das operadoras hoje não é sustentável", alerta GSMA