Brasil pode terminar 2006 com 100 milhões de celulares


A Anatel divulgou hoje, 19, por meio de sua assessoria de imprensa, os números detalhados do crescimento da base de celulares em agosto. De acordo com a agência, com 1,858 milhão de habilitações registradas no mês passado, o que fez a base alcançar 94,904 milhões de linhas, há mais chances de o Brasil alcançar a …

A Anatel divulgou hoje, 19, por meio de sua assessoria de imprensa, os números detalhados do crescimento da base de celulares em agosto. De acordo com a agência, com 1,858 milhão de habilitações registradas no mês passado, o que fez a base alcançar 94,904 milhões de linhas, há mais chances de o Brasil alcançar a marca de 100 milhões de acessos ainda em 2006. De acordo com a Anatel, a teledensidade nacional média, em agosto, foi de 50,8, ou seja há mais de um telefone celular em serviço para cada dois brasileiros. Somente em 2006, a teledensidade brasileira cresceu 9,06%, e, em 12 meses, 22,06%. Dos 94,904 milhões de celulares em serviço, 80,71% (76.594.802) são pré-pagos e 19,29% (18.310.196) são pós-pagos.

O maior índice de penetração do serviço celular continua no Distrito Federal: 111,49, ou seja há mais de um telefone celular (exatos 1,11) para cada dos habitantes do DF. O Rio Grande do Sul é o segundo no indicador, com índice de 66,52 (ou 0,66 telefone por habitante), seguido do Rio de Janeiro (índice de 65,8) e Mato Grosso do Sul (60,98). O Maranhão, com índice de 20,47, detém a menor densidade entre as unidades da federação.

Nos oito meses de 2006, o SMP ampliou sua base em mais 8,694 milhões de assinantes, número que é 34,83% inferior às 13,341 milhões de adesões obtidas pelo setor no mesmo período do ano passado, em que foram habilitados 4,647 milhões de celulares a mais. Em 12 meses – de setembro de 2005 a agosto de 2006 – a telefonia celular cresceu 18,64%, agregando 15,957 milhões de novos acessos em serviço à planta móvel brasileira.

Da Redação

 

Anterior Motorola compra Symbol Technologies
Próximos Participação da Vivo continua em queda e TIM cresce