Brasil é único país na AL com internet gigabit, diz Viavi


A Internet com velocidade de gigabit já está disponível para cerca de 354 milhões de pessoas em 51 países, representando 5% ou uma em cada 20 pessoas da população global. É o que mostra pesquisa da Viavi Solutions (Gigabit Monitor), que mostra o Brasil como único país com velocidade de acesso desse nível na América Latina, com 1,9 milhão de pessoas -ou 0,9% da população – com disponibilidade de internet de gigabit, colocando o país na 29ª posição global.

Pelo levantamento, os Estados Unidos são o líder global em gigabits, com internet gigabit disponível para 68,5 milhões de pessoas, um adicional de 4 milhões desde agosto de 2018. Desde o ano passado, a China ultrapassou a Coreia do Sul como o país com a segunda maior disponibilidade de internet gigabit. Na China, a internet gigabit está agora disponível para 51,7 milhões de pessoas, representando um enorme salto de 31 milhões desde agosto do ano passado. No entanto, esse número representa apenas 3,7% da população do país.

Depois dos EUA e da China está a Coreia do Sul, com acesso gigabit para 46,9 milhões, a Espanha com 30,1 milhões e o Canadá com 15,9 milhões. Quando a cobertura é de acordo com a porcentagem da população, Cingapura continua sendo a líder global, com Internet gigabit disponível para 95% da população.

PUBLICIDADE

Apesar do aumento de países com velocidade de acesso em gigabit, a pesquisa estima que 50% da população global ainda não têm nenhuma forma de acesso à Internet.

Segundo a Viavi. à medida que as redes 5G são ativadas em todo o mundo, a participação da tecnologia celular na provisão de internet gigabit aumentou com uma queda correspondente na participação da fibra. Nos próximos dois anos, à medida que as redes 5G se espalharem, espera-se que essa tendência continue. No entanto, essa observação de primeira linha esconde o fato de que a fibra continua sendo a infraestrutura de backhaul preferida na maioria das redes de telefonia celular, cabo e telecomunicações, tornando a fibra um componente crítico, para a maioria dos provedores de internet gigabit.

“Não é de surpreender que estamos vendo uma mudança gradual do fornecimento de internet gigabit com fio para tecnologias sem fio. À medida que as redes comerciais 5G estão sendo implementadas em maior número, o ritmo dessa transição aumentará radicalmente e logo alcançará um ponto de ruptura”, disse Sameh Yamany, Chief Technology Officer da Viavi. “No entanto, mesmo com o aumento global das redes 5G, a importância de testar e solucionar problemas de fibra permanecerá fundamental à medida que as operadoras móveis implementarem cada vez mais infraestrutura de rede baseada em fibra”.(Com assessoria de imprensa).

Anterior Qualidade do vídeo em 4G no Brasil supera a dos EUA, diz Opensignal
Próximos Para Abinee, aprovação da nova Lei de Informática é conquista para o setor de TIC