Brasil deve se restringir a defender LGT e Marco Civil na UIT


Anatel-shutterstock_Toria_telefonia_fixa_fibra_optica_abstrata_geral-720x320

Sem consenso entre os diferentes agentes do mundo digital sobre o que pode unir as telecomunicações e a internet, a Anatel, que representa o Brasil na União Internacional de Telecomunicações, deverá apresentar temas que ficarão restritos à Lei Geral de Telecomunicações e ao Marco Civil da Internet como os únicos balizadores para a discussão das empresas OTTs na consulta pública da  UIT que termina no dia 29 de agosto.

Conforme Mario Canazza, da assessoria internacional da agência, que conduz os trabalhos para a consulta pública,  o Brasil quer apresentar a posição consensual dos diferentes stakeholders, e por isso irá apresentar um documento que represente o consenso possível.

Assim, por exemplo, entre as questões políticas e regulatórias associadas às OTTS, serão elencados vários temas políticos, econômicos e regulatórios – como financiamento de infraestrutura, tributação, regulação assimétrica e competição, fluxo de capitais, falhas de mercado, comércio exterior, neutralidade das redes, transparências de custos e de preços; além de questões legais e éticas, como privacidade, proteção do consumidor e conteúdo (como pedofilia e terrorismo) – que não terão que ser necessariamente discutidos naquela instituição. “O debate vai apenas começar”, salientou ele.

Anterior Redução do Fistel para satélite tramita no Senado Federal
Próximos Corte de Portugal concede recuperação judicial à OI Móvel