Brasil demonstra na UIT que 5G não interfere na faixa de 27 GHz do satélite


shutterstock_Natali Glado_abstrata_radiodifusao_geral_frequenciaEm reunião preparatória para a conferência de radiofrequência da União Internacional de Telecomunicações (UIT), realizada na semana passada em Abu Dabi, a Anatel apresentou, em nome do Brasil, o estudo que comprova a viabilidade técnica para se usar a faixa de 26 GHz (que tem a extensão de 24,25 GHz a 27,5 GHz) para a próxima geração da telefonia móvel, a 5G.

A preocupação do Brasil e de demais países que têm intenso uso da solução satelital é evitar que haja interferência entre esses dois serviços na borda do espectro. Isso porque a banda Ka (propícia para a banda larga) está ocupando o espectro entre 27 GHz a 30 GHz. O estudo apresentado pelo Brasil consegue confirmar que a 5G, se chegar até a faixa de 27,5 GHz, não provoca interferência na transmissão via satélite, como temiam alguns países, como a Rússia.

Esse estudo, diz o gerente de frequência da Anatel, Agostinho Souza, contribui para fortalecer uma provável escolha dessa banda para a 5G na conferência da UIT, que será realizada em 2019. Se for  aprovada, serão reservados 3.250 MHz para os próximos serviços da rede móvel.

5G

Mas como vem aí a IoT e banda larga móvel com capacidade de fibra óptica, diz Souza, muitas são as faixas em disputa pelo globo, e o problema é conseguir harmonizá-las entre os países. Nas região das Américas, por exemplo, diferentes países estão apontando as frequências de 3,3 a 3,4 GHz e de 3,6 a 3,7 GHz para a 5G, além da faixa de 3,4 GHz a 3,6 GHz já aprovada pela UIT. E a Europa, por sua vez, está sinalizando que vai destinar o espectro de 3,4 GHz a 3,8 GHz para a 5G.

Para o Brasil, explica Souza, há problemas com essa proposta, pois aqui já está destinada a frequência de 3,6 a 3,8 GHz para os serviços via satélite.

O país  está prestes a destinar  100 MHz para a 5G no espectro entre 2,3 GHZ a 2,4 GHz. A proposta  está para deliberação do Conselho Diretor da Anatel, depois de ter passado por consulta pública. Esse refarming irá deslocar os serviços auxiliares de TV para outras frequências.

Anterior China Unicom chega ao país para lançar cabo submarino que liga Brasil a Camarões
Próximos CFO da Oi renuncia ao cargo