Brasil deixa de arrecadar R$ 25 bi com leilão da 5G em 2021, diz Ericsson


Diretor da empresa considera “falácia” de que não é possível a convivência das parabólicas com a nova tecnologia e aponta como “irresponsável” o alto custo para a migração à banda Ku

Estudo concluído neste mês pela Ericsson aponta que o Brasil deixará de arrecadar R$ 25 bilhões, se o lançamento do edital do leilão da tecnologia móvel de quinta geração, a 5G, atrasar pelo menos um ano. É a projeção feita sobre o impacto decorrente da demora na implantação da nova tecnologia por adiamento no edital da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Para o diretor de Relações Governamentais da Ericsson, Tiago Machado, é “uma falácia” o argumento de que não é possível a “convivência” do 5G com as antenas parabólicas. Incisivo, disse que é “irresponsabilidade” a migração das parabólicas para banda KU ao custo estimado entre R$ 3 bilhões a R$ 10 bilhões. “Em 2014, as operadoras já pagaram R$ 2,7 bilhões”, lembrou, referindo-se ao processo de digitalização dos sinais da TV terrestre. 

O estudo faz a estimativa do impacto tributário levando em conta os efeitos econômicos decorrentes do adiamento do leilão para 2021. “Quando se demora a abraçar a solução tecnológica, vende-se menos terminais, o serviço não liga para tecnologia mais avançada, a receita cai e o impacto na cadeia de valor se transforma em impacto na arrecadação”, justificou.

Virada de chave

Apesar de projeções de que o leilão da 5G deve ficar para 2021 por conta das interferências nas parabólicas, o diretor da Ericsson manifestou otimismo de que a licitação da nova tecnologia aconteça no prazo previsto o primeiro semestre do próximo ano.

‘Essa é uma decisão que o governo não pode deixar de tomar. É uma virada de chave, não só para o mercado de telecomunicações, mas também  para toda a economia brasileira. É um fator de melhoria da competitividade”, afirmou

Anterior Consulta pública do leilão da 5G está na pauta da próxima reunião da Anatel
Próximos 5G vai atrasar três anos se TV por parabólica mudar para banda Ku, dizem teles

1 Comment

  1. JOSE ANTONIO MECHAILEH
    1 de outubro de 2019
    Responder

    Essa interferência só acontecerá em localidades aonde o uso de tais parabólicas é mais frequente, ou seja, em regiões remotas, do interior, com baixa densidade populacional.

    90% das áreas a serem cobertas pela tecnologia 5G não tem expressiva quantidade de antenas parabólicas.

    Não faz o menor sentido o adiamento do leilão, nem os custos de eventual migração.

    Vamos logo pro futuro! Chega de atraso nesse país!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *