Brasil de todas as Telas vai financiar projetos na América Latina


audiovisualA Agência Nacional do Cinema (Ancine) abriu hoje (18) uma chamada pública para financiar projetos audiovisuais realizados em parceria entre brasileiros e estrangeiros latino-americanos. O edital faz parte do programa Brasil de Todas as Telas, que tem por meta fomentar a produção nacional e diversificar a exibição de filmes nas salas do país.

O investimento total previsto para esta etapa é de R$ 5 milhões, recurso oriundo do Fundo Setorial do Audiovisual. A linha funcionará na modalidade de fluxo contínuo (com inscrições abertas enquanto houver disponibilidade de recursos). Apenas projetos em que uma produtora brasileira tenha participação minoritária serão aceitos.

Os projetos de ficção e animação receberão apoio de até R$ 250 mil. Documentários terão apoio de até R$ 175 mil. Poderão ser inscritos projetos em parceria com empresas da Argentina, Bolívia, Costa Rica, Colômbia, Chile, Cuba, El Salvador, Equador, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Porto Rico, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

Segundo Manoel Rangel, diretor-presidente da Ancine, o objetivo é alavancar a inserção do cinema brasileiro em outros países. “Nosso objetivo é não só garantir que mais filmes desses países sejam exibidos no Brasil, mas também promover a presença do cinema brasileiro no mercado externo. Além do aumento da distribuição de filmes, as parcerias entre produtoras brasileiras e de outros países enriquecem o mercado, permitindo o intercâmbio profissional”, argumenta.

É vedada a inscrição de projetos que estejam concorrendo ou que já tenham sido contratados em editais de coprodução binacional realizados pela ANCINE. Os países latino-americanos estão classificados em grupos de acordo com suas características econômico-estruturais e o grau de desenvolvimento de sua indústria cinematográfica.

Esses grupos determinam o teto de captação por proposta, conforme o país parceiro: Bolívia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Porto Rico e República Dominicana têm direito a cota de 50% do montante (R$ 2,5 milhões). O grupo formado por Colômbia, Chile, Peru, Uruguai e Venezuela ficam sujeitos a uma cota de 25% (R$ 1,25 milhões) sobre o montante total. O mesmo valor se destina a Argentina e México, separados em grupo próprio.

Os aportes serão feitos na modalidade de investimento, por meio da qual o FSA terá participação sobre as receitas comerciais do projeto. O fomento faz parte do pacote de ações de incentivo à realização de coproduções internacionais da Ancine para este ano.

Além desta chamada, outros quatro editais binacionais foram publicados – chamadas com Itália e Argentina foram encerradas no começo deste mês, enquanto outro com Portugal se encerra amanhã, e mais um com Uruguai, tem prazo de inscrição até 26 de maio. A agência fará investimentos em parceria com 22 países. O Programa Brasil de Todas as Telas prevê uso de R$ 1,2 bilhão em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual.  (Com assessoria de imprensa)

Anterior Embratel lança app de nono dígito para seis estados do NE
Próximos Operadoras conectaram 84 mil escolas públicas desde 2008