shutterstock_ Toria_Banda_Larga_internacional_rede_InternetA Akamai, fornecedora de soluções de aceleração e segurança para a Internet, publicou hoje, 16, a edição do terceiro trimestre do estudo State of the Internet, que analisa a velocidade do acesso à web em 242 países ou regiões. 

No período, a média global de velocidade de conexão foi de 5,1 Mbps. O número mostra crescimento de 0,2% em relação aos três meses anteriores e de 14% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O Brasil apresentou velocidade média de 3,6 Mbps e, mesmo com o crescimento de 1% em relação ao trimestre anterior, caiu no ranking, saindo da 90ª para 93ª posição. Se comparada a um ano antes, a velocidade cresceu 24%.

O país tem 0,6% dos acessos com velocidade acima de 15 Mbps, crescimento de 3,8% em relação ao último trimestre e crescimento de 29% no comparativo ano a ano. As velocidades de acesso acima de 10 Mbps somam 2,2%. Para efeito de comparação, nos EUA, 46% das conexões têm mais de 10 Mbps. Já as conexões entre 4 Mbps e 10 Mbps são 32% no país, crescimento de 30% em relação ao terceiro trimestre de 2014.

Na América Latina a velocidade média de conexão variou de 5,9 Mbps, no Uruguai, a 1,5 Mbps, na Venezuela. No ranking global, os países latino-americanos estão entre 59ª e 138ª colocação.

No que diz respeito aos picos de conexão, houve no período uma queda de 0,9% na média global, que foi de 32,2 Mbps. Dos 145 países qualificados para o ranking, 93 apresentaram crescimento, sendo que Cingapura manteve-se em primeiro lugar, com pico de 135,4 Mbps e aumento de 25%.

O Brasil registrou picos de 29 Mbps, aumento trimestral de 7,3% e de 41% em relação ao último ano. Assim, o país subiu da 80ª para 79ª posição no ranking global de picos de conexão. Na América Latina, os picos do trimestre variaram de 60,2 Mbps no Uruguai a 11,8 Mbps na Venezuela, países que ficaram nas posições 15ª e 135ª no ranking, respectivamente.

A Coreia do Sul apresentou uma queda de 19% em relação ao ano passado em sua velocidade média de banda larga. Mesmo assim, manteve-se em primeiro lugar no ranking – que conta com 145 países/regiões – com média de 20,5 Mbps. No comparativo trimestre a trimestre, 78 dos países/regiões qualificados para o ranking apresentaram aumento de velocidade média de conexão, variando de 0,3% no Ucrânia a 64% no Congo.

Penetração Global de Internet
O estudo registrou aumento na contagem global de endereços de IP únicos, com crescimento de 0,6% quando comparado ao último trimestre e de 2,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. Dos Top 10 países/regiões considerados no levantamento, apenas os EUA (-0,5%) apresentaram queda em relação ao trimestre anterior.

O Brasil mantém a terceira posição em volume de IPs conectados à Akamai, com 47.182.078 endereços no período. Ainda, apresentou crescimento de 2,7% no trimestre e de 3,8% se comparado ao último período um ano.

Adoção IPv6
Quanto à adoção do IPv6, a Bélgica manteve sua liderança, com 35% de suas conexões à Akamai feitas por meio do protocolo. Os dois únicos países não europeus entre os Top 10 de adoção foram os EUA e Peru, sendo 18% e 17%, respectivamente.

O relatório se baseia em dados colhidos na plataforma Akamai Intelligent e analisa a velocidades de conexão, adoção de banda larga, crescimento IPV4 e adoção IPv6. As médias são feitas com base nos acessos destes links à rede da Akamai.