Brascan avaliza estratégia da Vivo


A estratégia anunciada pela operadora de celular Vivo para o ano de 2006 foi considerada positiva em análise divulgada pela Brascan Corretora. Dentre os pilares do direcionamento da empresas estão o foco na retenção e captura do cliente high end (pós pago) em contraposição ao baixo ARPU do segmento pré-pago e o interesse em adquirir …

A estratégia anunciada pela operadora de celular Vivo para o ano de 2006 foi considerada positiva em análise divulgada pela Brascan Corretora. Dentre os pilares do direcionamento da empresas estão o foco na retenção e captura do cliente high end (pós pago) em contraposição ao baixo ARPU do segmento pré-pago e o interesse em adquirir novas frequências em Minas Gerais e na região Nordeste, promovendo roaming digital a seus clientes; predileção pelo CDMA, descartando investimento na tecnologia GSM.

“O foco comercial no pós-pago é extremamente positivo. “Esse novo cenário deverá melhorar a rentabilidade da operadora”, comenta Felipe Cunha em sua análise. “Mas certamente haverá um aumento no SAC do cliente pós-pago adicional, por se tratar de um first user, e também no custo de retenção e no próprio churn deste nicho”, acrescenta. “O ano de 2006 se caracterizará por uma grande competição nesse segmento e no de aparelhos caros e sofisticados. O CDMA é mais competitivo nesse nicho”, diz o analista.

Cunha acredita que o fato de a Vivo demonstrar interesse em adquirir novas licenças é uma fator desmotivador para a compra da Telemig Celular, que também conta com diferente padrão tecnológico. “Nos parece acertada a decisão de não promover uma mudança para o padrão GSM em virtude dos maciços investimentos estimados”, analisa.

“Para o Grupo Vivo a transição para a 3G surge como a melhor solução neste momento, pois é menos custosa para o CDMA em relação ao GSM, o que pode representar uma vantagem competitiva caso a Anatel decida promover a licitação ainda em 2006”, finaliza o analista da Brascan.  (Da Redação)

Anterior Fust: determinação do TCU não impede aplicação de recursos em 2006
Próximos Provisionamento da BrT: ruim no curto prazo, bom no médio