Bonilha descarta atuação da Telebrás no varejo


O novo presidente da Telebrás, Caio Bonilha, descartou a atuação da estatal no varejo e sinalizou com uma convivência mais amena com as teles, afirmando que, na sua visão, a companhia veio para se somar ao esforço das outros.

Segundo Bonilha, o foco da empresa, agora que começarão a ser ligadas as cidades com a rede pública, será mais comercial visando retorno financeiro para a companhia. E admitiu que está estudando a adequação do preço do link, previsto em R$ 230 por 1 Mega, à nova exigência de velocidade estabelecida pela presidente Dilma Roussef, de 1 Mbps.

Em sua primeira entrevista no cargo, Bonilha ressaltou a importância do ex-presidente Rogério Santanna para a criação do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) e a reativação da companhia. “Não haveria o plano sem Rogério, que fez um trabalho belíssimo”, ressaltou, afirmando que tentará dar sequência à “brilhante atuação” de seu antecessor.

Com relação aos recursos, Bonilha disse que ainda está fazendo um levantamento e deve ter um quadro mais preciso até sexta-feira. Em todo caso, adiantou que a liberação dos R$ 300 milhões aprovados no Congresso Nacional, deve sair ainda este mês.

Novo presidente da Telebrás afirma que PNBL não muda

Em sua primeira entrevista coletiva, após a confirmação de seu nome para a presidência da Telebrás, Caio Bonilha destaca seus planos e o futuro do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

Quando vai começar a operação da Telebrás?

Caio Bonilha – A primeira cidade conectada à rede neutra da Telebrás no Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) será Santo Antonio do Descoberto, no entorno de Brasília, ainda no final deste mês. Várias cidades serão conectadas ao mesmo tempo, nos trechos entre Brasília e Itumbiara (GO), Brasília e Fortaleza (CE) e Brasília e São Paulo, passando por Belo Horizonte (MG). Ao mesmo tempo estamos negociando com as prefeituras para que cedam terrenos onde serão colocadas as torres dos Pontos de Presença (PoPs). Para nós é vantajoso porque são lugares seguros e ao mesmo tempo está dentro do plano, no sentido de atender as prefeituras.

Nós descobrimos, no levantamento que fizemos, que muitas das cidades que serão atendidas agora não dispunham de provedores de internet. A primeira cidade que iríamos atender no Distrito Federal era Águas Lindas, que fica a 30 km do centro de Brasília, não tinha provedor de internet. Então nós desenvolvemos um provedor de internet lá e começamos um trabalho de prospecção comercial e descobrimos que todo esse entorno de Brasília está mal atendido. Então achamos que é muito importante, dentro do PNBL, que a Telebrás desenvolva um trabalho comercial/social para cadastrar e qualificar os provedores.
No site da Telebrás já foi postada uma cartilha, tipo uma “receita de bolo” para que eles se qualifiquem na Anatel. Eles se enrolam com a burocracia, não é tanto os R$ 9 mil que eles têm que pagar. Também estamos desenvolvendo uma ação com o Sebrae para qualificação dos provedores.

Dentro do PNBL existem cerca de 40 programas de qualificação das prefeituras, então estamos disponibilizando, juntamente com o Ministério das Comunicações, programas em software livre, gratuitamente, destinado à melhoria da arrecadação, matrículas nas escolas, merenda escolar, marcação de consulta, entre outros, além da banda larga para prefeitura, escolas, postos médicos e policiais.

Para solucionar o problema de Águas Lindas, conseguimos levar um provedor que atuava em Ceilândia. A falta de provedores nessas cidades se dá pelo fato do custo do link ser alto, o que torna proibitivo paras as populações locais o preço do serviço. Na medida em que a Telebrás entra propondo um custo substancialmente mais baixo do link, ele tem condições de se adequar ao plano de internet popular de R$ 35 por 1 Mbps de velocidade.

A mudança de velocidade mudou o preço do link no atacado, abaixo dos R$ 230 estabelecidos inicialmente?

CB – Nós estamos estudando. Evidentemente isso impacta no preço do provedor e estamos discutindo internamente forma de como solucionar isso. Nós vamos vender com preço mais barato, mas nós vamos atender uma demanda muito maior, o que vai compensar um pelo outro. O fundamental para nós é preservar o valor da companhia, que é uma Sociedade Anônima, com ações na Bovespa. Não é simples a solução.

O preço diferenciado só vale para as empresas que queiram aderir ao pacote de internet popular. As que queiram comprar capacidade, mas não aderir ao PNBL, terá que pagar o preço de mercado. Podemos fazer isso porque é uma política de governo. O que nós queremos é que os provedores sejam aderentes ao plano.

Nós fizemos um levantamento de preço de mercado, com variações por região. Evidentemente que teremos preços altamente competitivos, mas queremos forçar que todos venham para o pacote de internet popular, que é um dos pilares do governo da presidente Dilma Rousseff.

E o pacote de internet a R$ 15, está descartado?

CB -Não, não está descartado. Nós estamos primeiro testando como vai se comportar o mercado com o pacote de R$ 35. Pelo levantamento feito pelo Ipea, o serviço a R$ 35 já teria um impacto significativo no mercado. Posteriormente desenvolveremos esse segundo pacote.

As teles estão negociando metas de universalização onde o governo estaria pedindo 1 Mbps a R$ 30 ou abaixo disso. Essa não seria uma forma de sabotar o PNBL?

CB – Eu não tenho acompanhado esse tema porque eu estava mais preocupado com a área comercial da Telebrás. Mas eu entendo de que os esforços do ministério sejam no sentido de, tanto a Telebrás junto com os provedores, como as operadoras privadas, estejam na mesma direção, de oferecer uma internet de qualidade a um preço de R$ 30 a R$ 35, a depender de impostos.

O governo anunciou os ajustes do PNBL, para além da queda do Rogério Santanna?

CB – Vamos começar em relação à administração de Rogério Santanna. Vou dizer para vocês uma coisa que já é lugar comum. Não haveria Telebrás, não haveria execução do PNBL se não houvesse o Rogério Santanna, que fez um trabalho até hoje belíssimo. Foi realmente extraordinário, no sentido de implantar uma empresa do zero, num tempo recorde de sete a oito meses. Se não fossem essas demandas que impactaram no nosso cronograma e que não tínhamos controle sobre elas, como é de ciência pública, nós já estaríamos em operação.

 

Então, é fundamental essa participação do Rogério, não podemos deixar de reconhecer.  Vou tentar, espero conseguir, dar sequência ao brilhante trabalho que ele desenvolveu até agora.

A questão do ajuste, na verdade eu não posso dizer qual o tipo de ajuste. O que nós vamos fazer é o que qualquer um faria. Nós estamos saindo de uma fase pré-operacional para uma fase operacional, então o foco da empresa muda um pouco, sai da área de engenharia e construtiva para a área comercial. Então o foco que vamos dar agora é o foco comercial. Nossos acionistas querem que comecemos uma operação comercial com faturamento, com foco nos clientes, com foco em parcerias e é isso que vamos fazer.

Tem alguma meta de faturamento?

CB – Nós estamos reestudando as metas de faturamento até em função dessas mudanças que estamos discutindo no nosso plano de negócio. Nós temos vários cenários e agora que devemos estabelecer a nova curva de retorno.

Temos entendimento que o fato de vender o link por um preço menor, teremos um volume maior, o que compensaria qualquer perda. Como o custo é marginal, o rádio já está lá, a fibra já está lá e temos uma disponibilidade bastante grande, quanto mais usar melhor. Então o nosso objetivo é vender bastante, evidentemente mantendo as margens de sua rentabilidade.

Já tem alguma meta de quantidade de clientes?

CB – Nós já temos em carteira aproximadamente quase 30 Gigabits de demanda dos vários prestadores que nos procuraram. Acredito que esse número já está maior. Mas muito dos prestadores não se manifestaram e deverão fazer isso agora porque estamos elegendo as cidades que vamos ligar primeiro baseados nessa manifestação de interesse. Nós vamos às cidades com nosso pessoal de vendas, contatamos os prestadores num trabalho de pré-venda.

Você veio do mercado, então dará um perfil mais comercial à Telebrás, diferente do perfil técnico do Rogério?

CB – Essa mudança seria feita de qualquer forma porque quando se passa para uma operação comercial o foco da empresa muda e é isso que os acionistas da empresa esperam. Esse é um processo de transição que iria ocorrer naturalmente.

E como fica o relacionamento da Telebrás com as empresas privadas, especialmente as concessionárias, já que houve tantos atritos?

CB – Nós vamos implementar todas as determinações do Ministério das Comunicações, que vê o PNBL como um todo. A Telebrás é parte desse todo, então nós vamos atuar juntamente com as operadoras privadas para atingir as metas que a presidente Dilma Rousseff espera com o desenvolvimento do programa.

As batalhas que o Rogério travou na ótica dele tem razão de ser, mas criou dicotomias. Minha visão é diferente. Viemos para somar.

Ainda há chance da Telebrás atuar no mercado de varejo, como prevê o decreto do PNBL?

CB – Gostaria de enfatizar mais uma vez que a Telebrás vai trabalhar sempre no mercado de atacado. Ela vai incentivar parceiros a trabalharem no mercado de varejo, e vamos suportar esse parceiro.

As oportunidades de mercado vão aparecendo geralmente onde as teles não estão, mas também há oportunidades onde elas estão operando. Cerca de 25% dos domicílios brasileiros, onde moram pessoas das classes D e E e uma parte da C estão nas periferias das grandes metrópoles e estão muito mal atendidas. Mesmo nesses lugares, vamos atuar no varejo por meio de parceiros. A operação no varejo é completamente diferente da do atacado. É muito mais onerosa.

E os recursos para a Telebrás, como ficam?

CB – Uma das minhas primeiras missões é fazer um levantamento da situação dos recursos, que não vinha acompanhando de perto. Mas já tivemos a notícia da liberação dos U$ 300 milhões aprovados no Congresso Nacional.

Sua indicação para a presidência da Telebrás muda o PNBL?

CB – Não, ao contrário. A orientação que eu tenho é o esforço para que atuemos muito fortemente no PNBL. Agora na fase comercial, quando teremos os primeiros resultados.

Espero que seja uma transição tranqüila. Temos um corpo técnico de altíssimo nível, embora reduzido, e nós estamos conseguindo fazer coisas que considero extraordinárias. O corpo técnico continua com esse compromisso.

Nós ainda temos vagas na diretoria comercial, que serão preenchidas agora, a depender da demanda. Ainda estou em busca de um nome para o meu lugar, na diretoria comercial.

Anterior Portaria dos tablets exige nacionalização de componentes
Próximos Santanna atribui sua saída à resistência em atender interesses das teles