Bondholders reiteram plano de recuperação para a Oi


queda despenca dinheiro acoes cifrao moeda bovespa

Os credores da Oi reunidos pela G5/Evercore, Moelis e FTI Consulting (que representa agências de investimento estrangeiras) apresentaram mais detalhes da sua proposta de plano de recuperação da operadora. Pelos termos apresentados hoje, 02, pedem troca de R$ 26,1 bilhões de dívidas em 88% do capital do Grupo Oi. Se comprometem a injetar, ainda, R$ 3 bilhões na empresa e sugerem a realização de uma oferta de pública de mais R$ 3 bilhões – este último, ponto que não haviam sido cogitados em agosto.

O grupo de credores reforça, em nota, a tese de que, na assembleia de credores a ser realiza pela Oi em 23 de outubro, teriam maioria dos votos caso a Anatel se abstenha ou vote contra a proposta da operadora. Confira, abaixo, detalhes dos termos divulgados hoje:

  • O Termo de Reestruturação baseia-se em uma série de princípios fundamentais que são essenciais para uma reestruturação bem-sucedida e viabilidade de longo prazo do Grupo Oi, incluindo:
    – Oferece plano(s) homologável(is) que tem o apoio de credores com pelo menos R$ 22 bilhões em créditos quirografários.
    – Oferece mais de R$ 26,1 bilhões em redução de dívida, com a conversão deste montante de bonds em 88% do capital do Grupo Oi, resultando em desalavancagem material do balanço patrimonial. Dos R$ 32,4 bilhões de bonds devidos, apenas R$ 6,3 bilhões serão reestruturados a partir da emissão de novos bonds.
    – Estabelece a estrutura ideal para uma reestruturação e recapitalização rápidas e bem-sucedidas do Grupo Oi, evitando litígios contínuos e prolongados e riscos de implementação presentes nas propostas anteriores apresentadas pelo Grupo Oi.
    – Aborda questões estruturais de governança do Grupo Oi, agregando independência e transparência.
    – Contempla uma capitalização significativamente alta de R$ 29,1 bilhões, incluindo um comprometimento de injeção de capital novo no valor de R$ 3 bilhões por meio de uma oferta pública. Garante o investimento de R$ 3 bilhões por meio de garantias conferidas por diversos bondholders.
  • Proporciona aos atuais acionistas e bondholders que estão convertendo os créditos em ações a oportunidade de participar da oferta de dinheiro novo.
  • Contempla tratamento equivalente a todos os credores financeiros da mesma classe e tratamento pari passu a todos os bondholders com base na lista de credores.
  • Proporciona plano de negócios totalmente financiado que prevê investimentos em torno de R$ 6,5 bilhões por ano, representando um aumento de 30% em relação aos níveis atuais.

A divulgação acontece pouco tempo após da notícia de que Ricardo Malavazi, CFO da Oi, renunciou ao cargo.

Anterior CFO da Oi renuncia ao cargo
Próximos Juros vão ficar em patamar baixo por longo tempo, afirma Meirelles

4 Comments

  1. Wellington Menelli
    3 de outubro de 2017

    Essa proposta nao merece nem ser lida, nao é séria!!
    Os fundos abutres compram a ďívida dos que investiram na empresa por 12% do valor e agora querem tomar o controle na “”marra””, a proposta de uma RJ no Brasil é feita pela empresa, portanto se os fundos abutres querem fazer a proposta que comprem açoes da OI na Bovespa e o façam.
    Anatel, tenham responsabilodade e parem de ficar ao lado dos fundos abutres, lembrem- se de defender os ACIONISTAS MINORITÁRIOS, a maioria de brasileiros que compraram açoes desde os planos de expansao de telefones na época da TELEMAR, TELEBRAS.
    A dívida das multas irao ficar dentro da RJ, isso é o que diz a lei, portanto façam um voto de confiança na recuperaçao da OI, afinal vcs irao ficar do lado de quem comprou títulos podres por 10% do valor e querem ganhar no grito ??
    Ou podem escolher valorizar o mercado de capitais onde brasileiros como eu que compraram suas açoes da OI por 50 ou 80 reais e fizemos a expansao de telefonia com nosso suado dinheiro, ou vao ajudar fundos abutres na sua ousadia?

    O Mercado de CAPITAIS com milhares de pequenos acionistas da OI está de olho e sabe o nome de cada um de vcs CONSELHEIROS DA ANATEL.
    A Anatel e o BNDS nao nos defendeu dos próprios controladores que incharam o balanço da empresa com dívidas em fusoes com suas holdings e naquela aventura com a PT Altamente lesiva ao mercado de k brasileiro.

    Vcs tem a oportunidade agora de defender os silenciosos acionistas minoritários da OI, que o façam convertendo o dinheiro das multas CABULOSAS em participaçao acionária da ANATEL e dando influência nos destinos da nova OI.
    DEFENDA NOS DOS FUNDOS ABUTRES.

    Acionista minoritário preocupado.

  2. Thiago
    3 de outubro de 2017

    Infelizmente a Anatel só está preocupada em receber as multas que lhe cabem, e que se danem os acionistas. Mas a hora dela irá chegar, pois quando sair o REFIS das autarquias ela não terá para onde correr, e terá de ceder ao aceitar o parcelamento das multas e encargos em até 20 anos.

    Quanto aos detentores de títulos (os chamados bondholders), eles merecem ser escorraçados da Oi. Assim que o pagamento das dívidas com a Anatel forem acertados, será a vez deles receberem um belo “cut” da dívida (que, diga-se de passagem, não é deles , pois compraram os títulos a preços muito baixos, praticamente na “bacia das almas”, já precificado com o prejuízo). Os acionista serão diluídos, mas não no percentual que os bondholders querem. Esse é o preço para que esses ratos sumam de vez da Oi.

  3. Wellington Menelli
    3 de outubro de 2017

    Pois é Thiago, a Anatel via seus conselheiros deveriam zelar pelo setor e ser um estimulador e facilitador fazendo com que as empresas tivessem um aliado para prestar bons serviços para a sociedade. A empresa não foi bem em várias situações, porém é inegável que foram investidos BILHOES de DÓLARES em redes e centrais de TELECO, tanto é que as dívidas ai estão para comprovar, ocorre que várias irregularidades foram cometidas e com o silêncio assustador de quem deveriam ter feito a fiscalização, O BNDS que era sócio e havia emprestado tanto para a empresa quanto para os controladores, e silenciou porque foi favorecido com o pagamento da dívida dos controladores com o dinheiro da OI e não dos próprios controladores, a ANATEL que permitiu incorporações lesivas ao mercado de capitais e ao setor de TELECO no Brasil, a CVM que mesmo com a grita dos acionistas minoritários permitiu também atos societários lesivos à empresa.
    Em suma, várias coisas sinistras ocorreram, e uma delas foi a ação policialesca de tascar multas avassaladoras por bobagens como não instalação ou funcionamento de orelhões e vai por ai, enquanto isso os acionistas minoritários levam o chumbo da inoperância e incompetência de quem deveria zelar pelo funcionamento do setor de teleco.

  4. Sabrina Vasconcelos
    3 de outubro de 2017

    Ue e vcs meus amigos creem mesmo em anatel aneel anac nenhuma agencia reguladora olha pelo consumidor jamais !!!!
    Querem apenas manter o cartel e impedir novas empresas de entrarem no Brasil.