Bondholders preferem a “falência à proposta injusta” dos acionistas da Oi


shutterstock_ Kalcutta_Mercado_Concorrencia_Consumidor_queda_de_bracoA disputa pelo passivo da Oi ganha mais uma voz contrariada. Desta vez, dos detentores europeus de debêntures da Oi, que escreveram ao Tele.Síntese, em resposta à entrevista fornecida por um dos sócios da operadora, Nelson Tanure, no dia 14.

Na entrevista, o empresário afirma que os detentores desses títulos não têm o que reclamar, pois já teriam recebido o seguro desses papeis e vendido os títulos para fundos que só compram na baixa conhecidos como fundos “abutres”, esses sim que estariam pressionando para elevar o valor do que têm a receber.

Em carta aberta à Tanure,  os bondholders europeus alegam, no entanto, que pertencem a outra categoria de investidores, e seriam inúmeras famílias que investiram suas poupanças nos papeis da Oi, e que não ouviram qualquer posição da companhia em sua defesa.

Ainda segundo esses investidores, Tanure, que comprou 7% das ações da Oi, teria investido cerca de R$ 100 milhões na concessionária brasileira, “o que é muito menos do que nós investimos”, alegam.

Além de transferir o termo “abutre” para o sócio brasileiro, esses bondholders, em tom agressivo, afirmam que preferem perder tudo a deixar a aceitar a atual proposta da empresa. Afirmam: ” de acordo com a análise da E&Y, publicada pela Oi em 6 de setembro, o valor de liquidação forçada de ativos da empresa ascende a  R$ 23 bilhões (35% do total da dívida). E você pode estar certo que, se o plano de recuperação judicial a ser votado for injusto para o bondholders varejistas, nós preferimos levar a companhia à falência do que aprová-lo. Através da liquidação, teremos de volta muito pouco de nossos investimentos, mas você certamente não terá nada”, afirmam na carta, assinada por Group of European bondholders.

Anterior Casa Branca espera que agências reguladoras reavaliem compra da Time Warner
Próximos Brasil é o 4º país do mundo em ataques DDoS a partir de dispositivos IoT