Bondholders lançam tréplica contra conselho da Oi


Maiores credores da Oi dizem que Conselho de Administração nem avaliou plano alternativo que apresentaram, combate argumento usado para descartar proposta revisada e criticam nomeação de conselheiros como diretores da operadora classificada como “intervenção”branca.

OTeleSintese-Cabo-de-Guerra-Disputa-Forca-batalha-conflito-Fotolia_90606687s principais credores da Oi — Comitê Internacional de Controladores de Obrigações (IBC) e Grupo Ad Hoc (AHG) — e o comitê de agências de crédito à exportação, agentes de instalações e bancos (ECAs), representadas pela FTI Consulting, divulgaram comunicado hoje, 6, contestando as alegações do Conselho Diretor da Oi, tornadas públicas no final da semana passada, para rechaçar sua proposta de plano alternativo de recuperação da operadora (Folha de Termo de Credor Revisada). O comunicado destaca que a proposta alternativa foi descartada sumariamente,  “provando mais uma vez que são impulsionados pelo objetivo de aumentar os interesses dos acionistas existentes, em detrimento dos melhores interesses da companhia e de seus outros interessados”.

Na tréplica aos contra-argumentos apresentados pelo Conselho de Administração da Oi contra sua Folha de Termo de Credor Revisada, afirma o comunicado:

-“Contrariamente às afirmações do Aviso de 4 de novembro, a Planilha de prazo de credor revisada prevê tratamento idêntico para todos os detentores de títulos em razão de suas reivindicações de títulos, e simplesmente prevê uma compensação incremental para aqueles que estão dispostos a comprometer o capital por um longo período de tempo;

– No que se refere às críticas supostas de que a Ficha de Termos de Credor Revisada está condicionada a um novo regime regulatório, isso é enganador . A  Folha de Termos Revisada do Credor não se baseia em uma mudança de regime, mas sim ajustes regulatórios para permitir que a Companhia permaneça competitiva e viável na longo prazo

– Em resposta à crítica de que a Folha de Termos Revisada do Credor não é vinculante, esta crítica é errada. A administração da companhia está ciente de que os grupos de credores da Oi estão preparados para entrar em acordos adequados de suporte ao plano rapidamente, como indicado na própria Folha de Verificação do Credor Revisado (e todas as folhas do termo anterior). O status das negociações simplesmente reflete as táticas de atraso de má fé ditadas pela maioria do conselho de administração da Companhia”.

Compromisso de capital

O Plano de Credor Revisado prevê, segundo o comunicado:

· Um aumento de capital totalmente reembolsado para o Grupo Oi em um valor total de R $ 4 bilhões;

· Tratamento equitativo entre as partes interessadas, seja entre os credores financeiros não garantidos, seja perante aos acionistas existentes, os quais manteriam 12% do patrimônio da empresa reorganizada antes da diluição do dinheiro novo e poderiam participar do aumento de capital;

· Opções de fluxo de caixa para a Companhia: No que diz respeito à dívida de dívida reestruturada, o (s) Plano (s) de credor revisado oferecem à Companhia a opção de eleger entre uma menor taxa de juros em dinheiro ou uma taxa de juros mais alta com uma parcela do pagamento diferido no tempo, dependendo da visão da administração quanto ao uso mais eficiente do caixa da Companhia;

· Reformas de Governança;

· Amplo apoio aos credores, com plano que minimize os litígio

· Plano estruturado para cumprir com a lei de todas as jurisdições estrangeiras relevantes e, portanto, em condições de ser aprovado rapidamente.

Anterior RFID: Taggen vai distribuir produtos da Alien Technology
Próximos Anatel aperta o cerco: conselho da Oi só pode assinar plano de recuperação depois de aval da agência

2 Comments

  1. Erick
    6 de novembro de 2017

    Essa guerra ainda vai longe…

  2. Wellington Menelli
    6 de novembro de 2017

    Credores Abutres, são engraçados!!!

    Comprem ações e elejam o conselho de administração, diretoria e podem fazer o plano de RJ que quiserem, assim determina e é a lei de RJ no Brasil.

    Do contrário apenas votem sim ou não na assembleia.

    Querer transformar seus títulos podres em 88% de participação não vao conseguir, os acionistas não irão ser roubados e ficar com apenas 12%.