Bolsonaro dá “ok” para estudo da privatização dos Correios


Presidente cita rombo no Postalis (fundo de pensão) e mensalão para justificar a venda. Os Correios tem 115 mil funcionários e 12 mil agências. O mercado mais competitivo – o de encomendas – é livre, não sujeito ao monopólio.

O presidente Jair Bolsonaro, por meio do Twitter, anunciou que deu aval para elaboração dos estudos para privatizar os Correios.  “Temos que rememorar para a população o seu fundo de pensão. A empresa foi o início do foco de corrupção com o mensalão, deflagrando o governo mais corrupto da história. Com o Foro de SP destruíram tudo(sic) nome da Pátria Bolivariana”, postou.

A privatização dos Correios já vinha sendo cogitada desde o governo Temer,  devido a prejuízos amargados pela empresa. Mas a venda foi descartada, depois de resultados positivos.

Os Correios têm monopólio para emissão de selos e serviços postais de correspondências que contenham informação de interesse específico do destinatário de qualquer natureza, incluindo a comercial. Mas as atividades que hoje garantem mais recursos, como entrega de encomendas, são submetidas à competição

Os Correios têm cerca de 115 mil funcionários em todo o país, limite autorizado pelo então Ministério do Planejamento, distribuídos em cerca de 12 mil agências em todo o país. A empresa fez vários programas de demissões voluntárias e fechou mais de 500 agências.

Além da redução das receitas, o Postalis (fundo previdenciário dos funcionários dos Correios) teve rombo de R$ 8 bilhões, por irregularidades e má gestão de diferentes governos.

Anterior PGR pede que STF retome liminar que barrou exploração do SGDC pela Viasat
Próximos Pesquisa aponta redução da participação das mulheres no mercado de TI

4 Comments

  1. Décio
    26 de Abril de 2019

    Já era pra ter sido privatizado há muito tempo, pois estou cansado de receber boletos vencidos causando tremendo prejuízo. Já foi a melhor do Brasil mas hoje é uma bosta.

  2. Paulo
    27 de Abril de 2019

    Privatização, se feita da forma correta, é o melhor caminho. Quem dependeu da Telesp, por exemplo, sabe disso.

  3. Blademir Maurício Shimanko
    2 de Maio de 2019

    Poderiam publicar qual o valor que o governo aplicou nos Correios. Que eu sei o governo não aplica nem um centavo quando ocorre prejuízo ao contrário ele somente retira dinheiro do nesmo. Será que a privatização não é apenas ima desculpa para poder embolsar mais dinheiro. Quero saber qual empresa vai querer o correio para entregar boletos de cobrança.

  4. Jose
    1 de junho de 2019

    Privatização dos Correios… público e notório, o que rende lucro hoje são as encomendas de vendas on-line, não mais cartas e telegramas. Todos reclamam dos valores cobrados pelos Correios, acham absurdamente caros… e concordo, são exorbitantes…, uma encomenda básica de SP a PB com menos de 300g pode passar de R$ 50,00 !!!!

    Porém, sabendo-se que não há monopólio para envio de encomendas, somente de cartas, qual dos concorrentes ( e são vários) tem agência ou postos para despachos destas encomendas em todas as cidades do país? E nas grandes cidades, agências em cada bairro para o despacho destas encomendas? Nenhum !!!!

    Podem pesquisar: empresas podem fazer uma entrega de SP Capital para SP Capital por R$ 8,00 porém não está próximo de você um posto para despacho e, para ter uma coleta de seus produtos você tem que ter grandes quantidades! Ou seja, todo mundo quer falar mal dos Correios e tirar seus clientes, mas ninguém quer oferecer uma infraestrutura parecida!

    Aliás são diversos os casos que vi destas empresas que concorrem com os Correios de terem encomendas e repassarem para os próprios Correios por não ser viável a entrega, por ser área que não cobrem ou por ser o que se chama área de risco e assim vai…..

    A bem de verdade o serviço de encomenda dos Correios é caro porque as áreas que ninguém quer fazer fica como obrigação dos Correios que todo mundo mete o pau; estes espertalhões querem o filé e o que é problemático fica para a empresa estatal! Esta é a realidade!

    Vamos falar em privatização? Certo, concordo, o Estado não tem que atuar onde a iniciativa privada pode fazer, mas é necessário uma regulação onde a privatização ofereça ao cidadão, além de preços justos e concorrência (justo de no mínimo 3 players), que ofereçam os postos próximos às residências, entregas seguindo os mesmos prazos e preços menores que os operados atualmente; caso contrário, para a população do que serveria esta privatização?