Bolívia nacionaliza a Entel, maior telefônica do país


Em meio à crise provocada pelo do referendo sobre a autonomia do Departamento de Santa Cruz, que se realizará domingo,o presidente da Bolívia, Evo Morales, aprofundou ontem o processo de nacionalização da economia lançado por ele há exatos dois anos. Ele anunciou que o governo assumiu o controle acionário da italiana Entel, maior empresa de …

Em meio à crise provocada pelo do referendo sobre a autonomia do Departamento de Santa Cruz, que se realizará domingo,o presidente da Bolívia, Evo Morales, aprofundou ontem o processo de nacionalização da economia lançado por ele há exatos dois anos. Ele anunciou que o governo assumiu o controle acionário da italiana Entel, maior empresa de telefonia do país, e de quatro empresas ligadas ao setor de gás e petróleo.

Em cenas que lembraram a nacionalização do gás, em 1o. de maio de 2006, policiais ocuparam a sede da Entel em La Paz. "Confirmamos que não há volta em nossas mudanças, e a unidade nacional é mais importante do que qualquer agenda regional ou setorial", disse Morales, muito aplaudido, num comício de sindicatos.

Há mais de um ano o governo tentava assumir o controle dessa subsidiária da Telecom Italia . As autoridades acusam a Entel de descumprir o plano de expansão da rede telefônica. Euro Telecom Italia (ETI) é dona de 50% da Entel e administradora da operadora de telefonia. Os 3% restantes do capital são propriedade de trabalhadores e outros sócios minoritários. A Entel é a maior companhia de telecomunicações da Bolívia, com 80 por cento do mercado de longa distância e cerca de 70 por cento do setor de telefonia móvel.

Litígio

O Estado boliviano se encontrava em litígio com a empresa boliviana de telecomunicações, administrada pela italiana Euro Telecom International (ETI), por uma dívida tributária de 25,6 milhões de dólares desde que foi privatizada em 1996.

A ETI, que trava uma disputa com o Estado boliviano no centro de arbitragens internacionais CIADI do Banco Mundial, "tem uma dívida de 200 milhões de bolivianos (25,6 milhões de dólares)", segundo o Departamento de Impostos.

A ETI também deve responder a um processo da estatal Superintendência de Telecomunicações por cerca de 400 milhões de bolivianos (cerca de 51,2 milhões de dólares) para o pagamento desta dívida tributária e outras sanções por deficiências no serviço.(Da Redação, com agências internacionais)

Anterior Anatel abrirá nova consulta para cálculo de Fator "X"
Próximos PL 29: novo substitutivo permite que radiodifusores controlem teles