Board da Telecom Italia nega que influência do fundo Elliott seja desproporcional


Após reunião realizada nesta segunda-feira, 6, o conselho de administração da Telecom Italia (dona da TIM Brasil) decidiu contestar relatório feito pelo conselho de auditores estatutários da companhia. O documento diz haver uma influência desproporcional do fundo norte-americano Elliott na operadora, o que o board, escolhido em parte pelo fundo, nega.

“Baseando-se em avaliação preliminar do comitê de interessados, o conselho de administração não concordou [com o relatório dos auditores] por voto majoritário, e com três abstenções”, diz a empresa em comunicado.

Na prática, significa que o conselho não vê necessidade de tomar qualquer medida para reduzir a influência do fundo no destino da companhia. O board justifica a decisão afirmando que a análise do conselho de auditores não atendeu todos os requisitos legais.

O Elliott tem cerca de 9% das ações da operadora. A Vivendi é a maior acionistas individual, com 24%. O governo italiano, por meio do banco estatal CDP, 5%. Ainda assim, na reformulação do conselho de administração ano passado, o fundo americano conseguiu emplacar suas indicações.

Venda de ativo e mudanças

A operadora confirmou ainda rumores de que negocia a venda da participação que possui na Persidera, empresa de mídia. Este é “um dos objetivos” para os próximos três anos, disse a empresa em comunicado.

De acordo com a agência de notícias Reuters, o fundo italiano de infraestrutura F2i propôs comprar o ativo por € 240 milhões a € 250 milhões. O negócio poderá ser fechado ainda este ano, uma vez que a oferta agrada o conselho. Mas, como a Telecom Italia tem 70% da empresa, precisa do aval do grupo Gedi, dono dos 30% restantes, para seguir com a venda de sua parcela.

A empresa comunicou ainda que o CFO, Piergiorgio Peluso, foi alçado a novo cargo, o de responsável por “projetos estratégicos e especiais”. Esta área será responsável por tocar a possível fusão da rede de acesso fixo com a da rival Open Fiber. Também deverá fundir a Inwit, braço de infraestrutura móvel, com a unidade de infraestrutura da Vodafone na Itália.

Para o cargo de CFO foi chamado Giovanni Ronca, que vem no mercado financeiro. Todas as mudanças teriam sido planejadas pelo CEO Luigi Gubitosi.

Anterior "Atende Simples" oferece call center na nuvem
Próximos Para a Oi, RCS ainda precisa superar o baixo alcance