BNDES lança cartilha sobre uso de IoT nas cidades inteligentes


 

cidade-computador

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançou a Cartilha de Cidades, publicação que sintetiza dados do estudo Internet das Coisas: Um Plano de Ação para o Brasil, que é financiado pelo Fundo de Estruturação de Projetos do Banco e fornecerá subsídios para o Plano Nacional de IoT.

Cidades Inteligentes estão entre as áreas prioritárias de direcionamento de iniciativas e políticas públicas para o desenvolvimento de IoT no Brasil, segundo o estudo financiado pelo BNDES e coordenado junto com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Gestão pública, transporte, monitoramento de tráfego, segurança e eficiência energética são algumas das áreas apontadas como de grande potencial para aplicação de Internet das Coisas nas cidades. Segundo o estudo, a economia potencial no mundo com a racionalização desses processos é de US$ 1,6 trilhão, em 2025. Apenas no Brasil, esse ganho econômico potencial é estimado em US$ 27 bilhões.

Também podem ser encontrados no guia os desafios de implantação de projetos integrados entre diferentes setores, buscando eficiência nos investimentos e otimização da utilização de sensores, redes de conectividade, além de gerar bases de dados mais robustas. Entre as principais recomendações, destaca-se a proposta de elaboração de um Plano Diretor de Tecnologia das Informações e Comunicações que oriente os órgãos municipais na incorporação de soluções de IoT ao longo do tempo.

Há ainda a menção de uma série de casos de aplicações já implementadas com sucesso no Brasil e no mundo, que demonstram o potencial existente e oferecem aprendizados para aprimoramento.

Entre os exemplos citados estão o programa piloto da iniciativa privada em smart grid em Aparecida do Norte (SP), Novos bairros inteligentes construídos para utilização de IoT e Minas Gerais e no Ceará, Parquímetros inteligentes em São Francisco (EUA), Sistema e Irrigação controlado remotamente em Barcelona (Espanha) e Sistema de alerta inicial de terremotos em Sichuan (China).

 

Anterior Após adiamento, satélite da Hispasat deve entrar em órbita nesta madrugada
Próximos Banda larga fixa via LTE da TIM agora funciona em 50 cidades