BNDES aprova 37 operações de Finame para fibra óptica


Thiago Soares de Paula
Thiago Soares de Paula, administrador de Operações Indiretas do BNDES, falou sobre as linhas de crédito disponíveis aos pequenos provedores.

De abril até meados de julho deste ano, 37 projetos de cabeamento por fibra óptica foram apresentados aos agentes financeiros do BNDES para a compra de cabos fornecidos pela Fibracem, Furukawa e Prysmian, fabricantes com produtos homologados no Finame. O volume de recursos envolvidos ainda é pequeno – R$ 11 milhões até agora –, já que o financiamento foi desenhado para os provedores regionais. O limite a ser financiado é de R$ 1,5 milhão por CNPJ, o que equivale a 300 km de fibras numa configuração típica.

Entre outras linhas que podem ser acessadas pelos provedores regionais, Thiago Soares de Paula, administrador de Operações Indiretas do BNDES, destacou a MPME Inovadora, a única linha do b anco com foco na empresa. Para ter acesso a essa linha, que tem as mesmas condições de financiamento do PSI (4% ao ano), a empresa tem que preencher alguns dos seguintes requisitos: ter cliente do cartão BNDES, ter participado de programas como Sebraetec e edital do Senai/Sesi, ter registrado patente no INPI nos últimos dois anos, participar de um Parque Tecnológico, ter sido incubada ou contar com participação de fundos de investimento.

Os projetos pela Finame também têm juros de 4% ao ano para produtos com tecnologia nacional, que têm 96 meses para o pagamento, e 4,5% para aqueles com tecnologia importada e produção nacional (PPB), com prazo de pagamento em 60 meses). De acordo com o engenheiro da área de Operações do BNDES, Sergio Massayuki Takizawa, a taxa para tecnologia estrangeira é de 4,5%, com prazo de 60 meses, mas o fornecedor tem que atender ás regras do PPB (agregar valor ao produto no país).

Os representantes do BNDES participaram do 8 Encontro Provedores Regionais, realizado hoje pela Bit Social no Rio de Janeiro.

Sebraetec

Em 2013, o programa Sebraetec atendeu 79 mil empresas, com investimento total de R$ 228 milhões. Uma pesquisa realizada pela instituição mostrou que o programa contribuiu para melhoria dos resultados organizacionais em 96% das empresas atendidas; 65% delas aumentaram o faturamento; e 82% reduziram desperdício. “Um , quarto dessas empresas aumentou o lucro em 25%”, informou Alexandre Mac Dowell, consultor do Sebrae Nacional.

De acordo com ele, este é um programa voltado à inovação e adequado às micro e pequenas empresas. Ele envolve desde a orientação, adequação e diferenciação da  empresa no mercado, até a etapa da aglomeração, que envolve várias empresas de um mesmo segmento de atuação.O Sebrae financia o processo de modernização da empresa com contrapartida de 20% pelo beneficiado. E o volume de recursos vai de R$ 10 mil, na etapa mais elementar, a de orientação, a R$ 125 mil na de diferenciação. Para a etapa de aglomeração o montante chega a R$ 400 mil.

Anterior Netflix atinge marca de 50 milhões de usuários no mundo
Próximos Receitas de telecom caem na Europa, mas investimentos sobem

1 Comment

  1. Laura
    20 de agosto de 2014

    Parabéns ao autor do artigo.Mostra a importância da implementação dessa tecnologia aqui no Brasil que supera a anos luz o serviço de internet por ADSL. Entendendo melhor sobre a questão das fibras ópticas com meus instrutores no curso ADV http://www.cursoadv.com.br sei do avanço não só na área de TI mas em tantas outras que terá a possibilidade de otimizar trabalhos de diferentes ramos. Ótimo que o BNDES comece emprestar dinheiro para que empresas de pequeno e grande porte possam cabear a cidade e dar uma qualidade de serviço melhor.