BH estuda PPP para ampliar rede de fibras ópticas


Orçado em R$ 32 milhões o projeto prevê a construção de uma rede Metro Ethernet de alta capacidade sobre um anel de 40 Gbps, com dez nós de rede integrando os principais pontos da prefeitura como a sede administrativa, a Prodabel (Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte), a guarda municipal e as principais secretarias como educação e finanças. Esta última deverá receber uma ligação direta de fibra pois está abrigando o novo datacenter que vai hospedar as principais aplicações da cidade e terá o site da Prodabel como back-up. Do anel partirão também anéis de 2 Gbps ligando os postos de saúde, que exigem uma maior confiabilidade, algumas secretarias e as 9 regionais.

“Esta é uma das alternativas que estão sendo consideradas para a contratação da rede, atualmente em fase de projeto. Também estamos avaliando a expansão da rede wireless, que hoje opera na frequência de 5,8 GHz e liga 320 pontos, como escolas e órgãos da prefeitura”, diz George Wilson, diretor de redes do Prodabel. A rede de rádio conta ainda com 32 hot spots, cobrindo as principais praças e locais públicos, que permite oferecer acesso gratuito a internet à população, pelo período de duas horas com velocidade média de 1 Mbps. E tem sido fundamental para os projetos de inclusão digital em comunidades carentes como o Aglomerado da Serra, conjunto de sete vilas e favelas  que conta com uma rede mesh de 7 repetidoras cobrindo uma comunidade de 50 mil habitantes. O projeto de expansão tem como meta cobrir 42% da população de vilas e favelas abrangendo 21 comunidades.

Os dois projetos correm em paralelo mas a rede de rádio poderá ser reavaliada caso a rede de fibra seja realmente implementada no escopo definido no planejamento. Segundo Wilson, a rede de rádio poderá ser adotada como uma solução complementar a rede de fibras em pontos remotos que não justifiquem a instalação da fibra, que tem um custo maior. A expansão da rede wireless poderá ocorrer na faixa de 3,5 GHz, recém regulamentada pela Anatel e que permite a implementação da tecnologia WiMax, uma melhoria, já que a rede atual utiliza tecnologia pré-WiMax na faixa não licenciada. Com isso a rede atual em 5,8 ficaria dedicada aos projetos de inclusão digital.
 
O diretor de redes da Prodabel diz que caso a prefeitura resolva construir a rede de fibra com recursos próprios já estão sendo avaliadas alternativas de menor custo como a adesão ao registro de preços que o Banco do Brasil fechou com a Cisco, que conseguiu obter preços bastante competitivos para os switches de grande porte, principal equipamento da rede metro.
 
Hoje a rede da Prodabel já conta com 95 km de fibra, infraestrutura construída com recursos da própria prefeitura. A expansão da rede de fibras começou a ser planejada no ano passado quando se decidiu partir para uma configuração em anel (hoje a rede é em configuração de estrela) para dar maior confiabilidade. No meio do processo, a Prodabel identificou uma forte demanda de aplicações com imagens e decidiu aumentar o escopo passando a capacidade do anel principal de 10 para 40 Gbps.
 
Aplicações
Entre estes projetos está o prontuário eletrônico que tem aplicações que têm gerado tráfego de envio de exames com imagens para segunda opinião de especialistas remotos. Outros projetos envolvem a instalação de câmeras pela cidade para aplicações de vigilância da guarda municipal e pela BH Trans, que tem um ambicioso projeto de automação dos ônibus que serão dotados de GPS e monitorados a distância. (Fonte: Wireless Mundi)

Anterior Governo regulamenta o regime especial de computadores para as escolas
Próximos Agenda 2011