Bava afirma que reestruturação dará fôlego à Oi para participar da consolidação do mercado de celular brasileiro


O presidente da Oi e da Portugal Telecom, Zeinal Bava, em entrevista ao jornal britânico, Financial Times, afirmou que a reestruturação do grupo (com a fusão da Portugal Telecom na operadora brasileira) irá assegurar a escala e os recursos financeiros  necessários para a empresa participar da consolidação do mercado brasileiro de telefonia celular. ” Se não fizéssemos este movimento, não teríamos a opção de considerar mais nada”, afirmou o executivo.

 

Conforme o jornal, com a crise da Telecom Italia, cresce a percepção de que a italiana venderia o seu principal ativo, as operadoras brasileira e argentina de  celular, TIM Participações, que valeria pelo menos 9 bilhões de euros. E esta venda iria provocar a consolidação do mercado de celular brasileiro para três prestadores de serviço, e não quatro empresas, como é hoje.

 

Mas, afirma o jornal, as autoridades antitruste e regulatória brasileiras – Cade e Anatel – não deixariam que Vivo, Claro ou Oi comprassem sozinhas a TIM, mas poderiam aceitar o “fatiamento” da filial italiana. E seria para poder participar desta aquisição que a Oi estaria também se reestruturando.

O jornal alerta, porém, que analistas questionam se o movimento da Oi vai realmente dar forças para a empresa participar de novas aquisições. Isto porque, argumentam, a Oi precisará levantar entre R$ 7 bilhões a R$ 8 bilhões para completar o acordo, que prevê sinergias de R$ 5 bilhôes a 5,5 bilhões. Mas a operadora continuará com dívida de R$ 41,2 bilhões, mesmo depois do aumento de capital, se ele for bem-sucedido. Alguns analistas temem que os títulos da Oi sejam rebaixados pelas agências de análise de riscos. ( Da redação).

 

Anterior Propostas de emendas do marco civil divergem sobre guarda de logs e permitiriam serviços diferenciados de internet
Próximos Votação do Marco Civil da Internet fica para semana que vem