Base de computadores no país irá dobrar em quatro anos, diz FGV.


A base de computadores no Brasil, que é hoje de 72 milhões e deve chegar ao final do ano em 77 milhões de unidades, vai dobrar nos próximos quatro anos, quando a relação computador/habitante será de 2 para 3 (hoje são dois computadores para cada grupo de cinco habitantes). "O país vai vender em quatro …

A base de computadores no Brasil, que é hoje de 72 milhões e deve chegar ao final do ano em 77 milhões de unidades, vai dobrar nos próximos quatro anos, quando a relação computador/habitante será de 2 para 3 (hoje são dois computadores para cada grupo de cinco habitantes). "O país vai vender em quatro anos o mesmo volume de computadores que vendeu em 30 anos", comentou o professor Fernando Meirelles, da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), que estima 100 milhões de unidades em 2012 e 140 milhões de computadores em 2014. Meirelles divulgou hoje os resultados da 21ª pesquisa anual  sobre o mercado brasileiro de informática, realizada pelo Centro de Tecnologia de Informação Aplicada da Escola de Administração de Empresas da FGV.

O professor destacou o crescimento do mercado nos últimos anos, lembrando que, em 1988, foram vendidos no país 400 mil computadores; há cinco anos as vendas aumentaram para 5 milhões de unidades/ano e, no ano passado, foram 12,5 milhões de unidades. "O país está se informatizando e o processo acelerou a partir de 2000", observou Meirelles. No ano passado, as vendas ficaram no mesmo patamar de 2008, fator que deve ser considerado positivo na avaliação do professor, uma vez que em outros países as vendas registraram queda, devido ao impacto da crise econômica.

Navegador de Internet

O browser Microsoft Explorer continua dominando como a ferramenta de navegação de Internet, com 91% da base instalada nas empresas. O Mozila FireFox cresceu e responde por 6% da base, e outros, por  3%. No correio eletrônico, a MS tem 73%, o sistema Lotus responde por 15%, o Linux xMail por 5% e outros (incluído aqui o Google) por 7%.

Anterior Operadoras de TV paga em SP podem cobrar por aluguel do ponto-extra, decide desembargador.
Próximos Em 2009, Anatel reduz fiscalização e aumenta número de Pados.