Base banda larga UOL cresce 45%


Em 2005, a receita do UOL – Universo OnLine totalizou R$ 600,4 milhões, 76% dos quais gerados por assinaturas, 16% apurados na rubrica publicidade e outras, 8% com publicidade caixa (brand, links patrocinados e novos produtos, excluídos permuta e tráfego). A empresa divulgou resultados preliminares hoje, 27.

O provedor encerrou o último exercício fiscal com uma base total de assinantes pagantes de 1,45 milhão, 11% maior do que a de 2004. Do total de clientes, 60% eram usuários de conexão discada, parcela de clientes que experimentou leve redução (4%) em um ano.

Este declínio foi largamente compensado pelo avanço de 45% no número de usuários do serviço banda larga, segundo explicou o diretor de relações com investidores, Paulo Narcílio Simões Amaral, na primeira teleconferência da empresa desde a abertura do capital, em dezembro de 2005.

Metade daquele crescimento, acrescentou, vem da migração dentro da própria base, o que é estimulado pela empresa. Em dezembro, os 586 mil clientes com conexão em alta velocidade representavam 40% do total.

Quarto trimestre

No último trimestre de 2005, as receitas de publicidade caixa foram de R$ 15,1 milhões, com crescimento de 63% em relação ao mesmo período de 2004. Também no quarto trimestre, o total de receitas de publicidade e outras atingiu R$ 27,7 milhões, com avanço de 41% sobre o mesmo trimestre do ano passado.
E, no período analisado, a receita de assinatura aumentou 15%, para R$ 117,7 milhões.

Para o ano, o lucro gerado pela operação (EBITDA: lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 99,4 milhões, antes das despesas com a abertura de capital (IPO). Para o trimestre, foi de R$ 13 milhões.

Caixa positivo

Já o custo dos serviços foi de 58,4 milhões no último trimestre (+ 22%) e 214,3 milhões no ano (+ 11%).

As despesas operacionais antes dos gastos com a abertura de capital e lançamento de ações totalizaram R$ 41,9 milhões no quarto trimestre e R$ 131,3 milhões no ano, representando um aumento de 10% e uma diminuição de 20%, respectivamente, comparados ao mesmo período de 2004.

O saldo em caixa, em 31 de dezembro, foi de R$ 334,0 milhões. A companhia não tem dívidas desde novembro de 2005. Sobre a possível destinação daquele saldo, o diretor do UOL lembrou que, quando do IPO, a empresa informava que poderia ser investido tanto na própria operação, como em aquisições, a exemplo do que fazem congêneres como o Google.

Perspectivas

O ano de 2006 será de crescimento, destacou Amaral, que projeta aumento de 30% no EBITDA para o exercício, tanto em função do aumento do preço da publicidade, como da recuperação do próprio mercado de anunciantes, além da receita gerada por novos produtos não-exclusivos para assinantes UOL, como VoIP e proteção de e-mail.

O executivo disse, ainda, que a receita com publicidade cresce mais do que a obtida com assinaturas, devido aos maiores custos destas últimas. No geral, contudo, a expansão das despesas operacionais acompanhará a das receitas. Além disso, em ano de copa do mundo e de eleições, a publicidade tende a crescer.

Entre os destaques de 2005, a empresa assinala o foco nos links patrocinados, a aceleração da receita publicitária e o acordo com a empresa norueguesa de busca Fast Search.

Em dezembro, o buscador UOL foi o segundo do ranking; no terceiro trimestre, o seu site comunitário tinha 500 mil usuários; o time spent do assinante era o dobro do segundo colocado.

Anterior Ministério Público é contra o fim do Fust
Próximos Governo vai investir R$ 260 milhões na inclusão digital de escolas