Banda larga pública traz mais prejuízos que benefícios, afirma Minicom.


O Ministério das Comunicações ainda não encontrou um formato que consiga trazer mais benefícios para a população do que prejuízos caso a banda larga se transforme em regime público. Esta foi a explicação de Artur Coimbra, diretor do departamento de banda larga do ministério, para justificar a posição do governo de querer manter o serviço sob o regime privado.

 

“O governo acredita que a competição trabalha a favor da expansão do serviço”, afirmou.

 

IPEA

Para o Rodrigo Abdalla, do Ipea, a nova lei de TV paga (SeAC) só irá estimualr a oferta de serviços de TV por assinatura e de banda larga para as famílias com renda a partir de 5 salários-mínimos. “A lei não fará a massificação da banda larga, que vai precisar de novos estímulos do governo”, completou.

Anterior iPhone 4S chega às lojas no dia 16 de dezembro
Próximos LinkedIn abre escritório no Brasil