Banda larga precisa de novas faixas de frequência, segundo SindiTelebrasil


A expansão da banda larga é fundamental para a construção da cidadania e  formação de jovens, além de ser fator essencial para o desenvolvimento sustentável do Brasil e, consequentemente, promover a inclusão social, segundo o Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil).Conforme o sindicato, o espectro de radiofrequências é fundamental para se alcançar esses objetivos.

Dentre as faixas de frequência que podem ser usadas para a expansão da cobertura de serviços de telecomunicações,  segundo o SindiTelebrasil, está uma parte da banda de 700 MHz que será liberada no processo de digitalização da TV no país e a faixa de 2,5 GHz, já atribuída internacionalmente para os serviços móveis.

“As características de propagação da banda de 700 MHz fazem com que ela se apresente como uma oportunidade única para se promover a massificação da banda larga no País de uma forma mais eficiente do ponto de vista técnico e econômico, além de permitir a transmissão de dados em grande velocidade”, diz comunicado do sindicato. Ele ressalta ainda que novas frequências serão necessárias para os eventos esportivos de repercussão internacional, como a Copa do Mundo de Futebol e os Jogos Olímpicos, que ocorrem nos próximos anos no país. A demanda por serviços móveis no Brasil será superior a 300 milhões de usuários em 2016, conforme estimativas da GSM Association. (Da Redação, com assessoria de imprensa)

Anterior GVT vai vender banda larga de 35 Mbps por cerca de R$ 100,00
Próximos Proposta de resolução de conflito da Anatel volta à área técnica para atualização