Banda larga fixa tem pior avaliação entre serviços de telecom


O serviço de banda larga fixa foi o pior avaliado na terceira Pesquisa de Satisfação e Qualidade Percebida 2017, divulgada nesta terça-feira (13) pela Anatel. A média de satisfação ficou em 6,23, considerando notas de zero a 10. As prestadoras regionais foram melhores avaliadas que as empresas de atuação nacional. A Cabo Telecom obteve a nota 7,64, enquanto a Vivo e a NET receberam 6,38 e 6,43, respectivamente. A pior avaliada foi a Sky, com nota 5,38.

O pior indicador da banda larga fixa foi o de capacidade de resolução de problemas, que obteve a marca de 5,80. E o melhor foi de reparo e instalação, com nota 6,76.

Redução    

A telefonia móvel pós-paga, com 6,99 pontos, foi o serviço melhor avaliado pelos consumidores, porém não alcançou a média 7. Em seguida vem a TV por Assinatura, com 6,93, a telefonia fixa, com 6,92 e a telefonia móvel pré-paga, com 6,83. Na pesquisa anterior, divulgada em 2016, o serviço de TV por assinatura obteve a maior pontuação (7,0), o que sugere a redução da qualidade dos serviços como um todo.

De acordo com a pesquisa, a telefonia móvel pós-paga foi o único serviço a melhorar em todos os sete indicadores avaliados pelos consumidores (canais de atendimento, atendimento telefônico, oferta e contratação, funcionamento, cobrança e recarga, reparo e instalação, e capacidade de resolução das demandas dos consumidores).

O serviço subiu de 6,86 pontos em 2016 para 6,99 no ano passado. A nota mais alta foi no Amazonas (7,23). As prestadoras melhor avaliadas foram Porto Seguro, que é uma MVNO (8,32), a Vivo (7,26), e a TIM (7,16). A pior, foi a Oi, com nota 6,20.

Em relação a indicadores, cobrança, que tradicionalmente é o mais reclamado, obteve maior nota, 7,26. Já atendimento telefônico foi o pior indicador avaliado, com nota 5,99.

O serviço de TV por Assinatura, que ficou com a liderança na qualidade percebida pelo consumidor em 2016 com 7,00 pontos, obteve 6,93 em 2017.  O estado que apresentou a maior satisfação com o serviço foi o Maranhão (7,42). As prestadoras melhor avaliadas foram a Nossa TV (8,96), a Cabo Telecom (7,68), que tem forte presença no Rio Grande do Norte, e a Claro (7,24). Entre os indicadores, o melhor avaliado foi funcionamento, com a marca de 8,25.

A satisfação geral do consumidor com a telefonia fixa ficou estável de acordo com a pesquisa, de 6,93 pontos em 2016 para 6,92 pontos no ano passado. A nota mais alta foi do Amazonas, (7,24).  Entre as prestadoras as melhores avaliadas por seus consumidores estão a Sercomtel (8,00), a Algar Telecom (7,69), e a TIM (7,58). A NET, que tem o número maior de assinantes, ficou com a pior nota: 6,61. Atendimento telefônico foi o indicador pior avaliado, alcançando a nota 6,38.

A telefonia pré-paga também apresentou uma melhora geral da qualidade subiu de 6,78 em 2016 para 6,83 no ano passado. O estado que apresentou maior satisfação foi Rondônia (7,18). As prestadoras regionais como Sercomtel (7,71), que atua no interior do Paraná, e a Algar Telecom (7,41), que atua na região do Triangulo Mineiro e parte de Goiás e São Paulo, apresentaram as maiores notas. Em terceiro ficou a Claro, (6,92). TIM e Vivo dividiram a quarta posição, com notas de 6,82 e 6,88, respectivamente.

O pior indicador foi a capacidade de resolução de problemas, com 5,24. Enquanto o melhor avaliado foi funcionamento, com nota 6,98.

Foram realizadas 140 mil entrevistas de 26 de julho a 3 de dezembro de 2017 onde os consumidores deram notas de 0 (nada satisfeito) a 10 (totalmente satisfeito) às suas prestadoras de telecomunicações e serviços ofertados. A Pesquisa para Aferição da Satisfação e da Qualidade Percebida dos Usuários de Serviços de Telecomunicações é realizada desde 2015. Foram analisadas operadoras de telecomunicações com mais 50 mil assinantes no país ou 10 mil por estado.

Anterior Associação brasileira de IoT se junta à LoRa Alliance
Próximos PL da flexibilização da Voz do Brasil vai à sanção presidencial