Avanço dos ISPs sobre o B2B e uso de SD-WAN: as previsões da IDC para 2018


Carteira de pequenas e médias empresas dos provedores regionais vai crescer. Operadoras maiores começam a abraçar a tecnologia SD-WAN para manter clientes, mas abrindo mão de fatia das receitas com MPLS.

previsao-futuro-ceu

O ano de 2018 promete mudanças importantes no mercado de telecomunicações, segundo a consultoria IDC Brasil. A empresa lista ao menos três tendências que vão ditar a estratégia das empresas do setor neste ano. A começar pelo avanço dos provedores regionais, os chamados ISPs. Este mercado deve se consolidar, com uma série de fusões e aquisições, fazendo as empresas ganharem corpo e ampliarem suas áreas de cobertura.

“É um movimento inevitável. Eles já não conseguem mais atender ficando apenas no regime de tributação simplificada, vão crescer”, afirma André Loureiro, gerente de pesquisa da IDC.

Na esteira dessas fusões, os ISPs vão ofertar não apenas banda larga, como também voz, através de telefonia fixa ou da móvel, por meio de parcerias com MVNOs, e TV por assinatura. Mas, principalmente, avançarão sobre o mercado B2B, atendendo pequenos negócios.

A capacidade de competição dos provedores regionais reside no preço, e isso deve contribuir para pressionar o crescimento da receita do setor de telecomunicações em 2018. A IDC prevê que o ano tenha uma retração de receita de 0,1%. “Além dos provedores regionais, os serviços de voz fixa continuam em tendência de queda, e a competição entre as operadoras móveis, com planos de voz ilimitada, também influencia”, diz Loureiro.

Grandes operadoras

Por fim, o setor de telecomunicações deve testemunhar o crescimento das ofertas de serviços SD-WAN. “Aqui, as grandes operadoras decidiram agir e vender também as soluções, numa atitude mais pró-ativa”, diz o analista. Segundo ele, há menos chances de as grandes perderem mercado para concorrentes, como se deu com o VoIP, pois elas já estão abraçando a tecnologia.

“Elas perceberam que alguém vai fazer”, ressalta. A tecnologia SD-WAN substitui a MPLS em ambientes corporativos. Permite que parte dos serviços de telecomunicações seja destinado à rede mais segura (MPLS) em uma empresa, enquanto outra parte possa ser redistribuída por IP. “Em 2018 já será visível o impacto disso nas receitas”, avalia. O uso de SD-WAN irá dobrar no país.

A IDC Brasil divulgou hoje suas previsões para o mercado Brasileiro de TICs. Além do setor de telecomunicações, analisa também as perspectivas em TI. Veja mais aqui.

Anterior Depois de poucos avanços, Anatel e Aneel vão em busca de outra solução para aluguel de postes
Próximos SAP compra empresa de dados na nuvem por US$ 2,4 bi