Cidades menores podem receber rede de transporte de menor capacidade, que seria melhorada com o tempo, defendeu a empresa na consulta pública sobre 5G feita pelo MCTIC.

Background image created by Creativeart - Freepik.com

Operadora diz na consulta pública da 5G que algumas aplicações vão exigir tráfego priorizado, como veículos autônomos, operação remota de plantas industriais e serviços de telemedicina

Para companhia, mitigação das interferências deve ficar bem especificada para evitar judicialização futura

Operadora acredita na criação de novos modelos de negócio também com o compartilhamento de infraestrutura

Coletivo propõe também exigência de conteúdo nacional e PPB nas novas redes, a exemplo do que foi feito no leilão de espectro 4G em 2012.

Fabricante sugere que parte do espectro hoje usado pelas empresas de satélite seja destinado às operadoras móveis, inclusive em banda Ka.

Empresa defende que offload das redes móveis através do WiFi continuará mesmo com a chegada da 5G, e pede a faixa de 6 GHz

Fabricante sugeriu, na consulta pública sobre 5G feita pelo MCTIC, a dispensa de licenciamento de antenas de baixa potência, prevendo a demanda por 180 mil ERBs até 2025.

Operadora fechou contrato em 2018 com a Oracle para fornecimento de soluções em nuvem que usam bancos de dados autônomos

Empresa anunciou upgrade em um de seus data centers no Brasil e aposta na migração de sistemas “on premise” para a nuvem a fim crescer na América Latina.