Marcio Tiago, responsável pelos negócios no país, conta que a operadora árabe de satélites prevê investir US$ 200 milhões no Brasil para botar em pé projeto de conectar residências próximas a grandes centros urbanos.

Operadoras receberam, em 2015, 46 mil solicitações de dados de usuários no país ao mês, mais de uma por minuto. Sindicato cobra de OTTs respeito às leis brasileiras.

Empresa de análise de crédito teme prevê calote caso a operadora não consiga reestruturar dívida nos próximos 12 meses.

Companhia não pretende comprar papeis ou aumentar a oferta de ações na Bovespa.

A tele garante que o foco operacional e comercial permanece inalterado, e que continuará a investir. Mas fala em manter planos de corte de custos e em “otimizar” infraestrutura.

Entidade calcula que 28% da TV paga no Brasil é pirata, o que resulta na evasão de US$ 483 milhões em impostos ao ano.

WowApp registra 190 mil usuários no país em três meses e deve ultrapassar os 350 mil em 50 dias. Criador pretende reduzir a desigualdade de renda com o serviço. “O sistema parece uma pirâmide”, admite Thomas Knobel, criador do WowApp, em visita ao Brasil nesta semana. “Mas não é. Vemos como uma árvore, já que ninguém paga para entrar”, observa.

Produtoras independentes acusam governo paulista de não cumprir compromisso estabelecido em 2013.

Oberthur Technologies ampliará esforços no desenvolvimento de software e serviços à medida que o padrão eSIM for adotado por operadoras e fabricantes. Estimativa é de 1 bilhão de eSIMs vendidos em 2020.

No ano que passou, a Nextel Brasil perdeu US$ 84,2 milhões, ante prejuízo de US$ 133,7 milhões em 2014. O resultado foi fruto de corte de custos. A receita fechou o ano em US$ 1,14 bilhão, 32% a menos que um ano antes. Desempenho foi afetado pela desvalorização do real.