Luiz Alexandre Garcia, que migra para o comando da holding Algar, acredita que a 5G só irá avançar a contento no país se a Anatel mudar as regras de destinação do espectro, que exige hoje uma licença de telecomunicações. Ele defende que as empresas dos diferenciados segmentos, como uma mineradora ou um hospital, possam também ocupar as frequências da 5G para atender as suas necessidades de conexão.

Para Floriano de Azevedo Marques, retirar as atuais competências da Anatel seria um retrocesso. Já Pedro Dutra defende transparência radical nas agências reguladoras como resposta ao aparelhamento.

Segundo Vinicius Lages, a transformação digital da instituição quer dar respostas rápidas e habilitar os pequenos empresários a usar as ferramentas disponíveis

Para Gustavo Correa Lima, do CPqD, o Brasil precisa ter mecanismos para fiscalizar os equipamentos de telecomunicações usados nas redes cujos riscos aumentam com a 5G

Serão realizados testes com inteligência artificial para os serviço de telecomunicações ocuparem parte das frequências de UHF das emissoras de TV abertas

O grupo de transição ficou interessado em resgatar o princípio do “silêncio positivo”, que foi derrubado quando da sanção da Lei das Antenas, em 2015. Por esse princípio, se a prefeitura não se manifestar em 60 dias para um pedido de instalação de antena de celular, as empresas poderão instalar o site.

Foto: Projetado pelo Freepik

Estudos realizados pelo grupo brasileiro da 5G estão direcionando a conexão dos satélites para as estações rádio-bases, para permitir melhor uso da tecnologia no campo

Países de todo o globo convivem com as barreiras criadas por diferentes leis de uso do solo, que são de responsabilidade dos governos locais.

O secretário defendeu também leilão de espectro que contemple os novos modelos de negócios que surgirão com a 5G

Para Leonardo de Morais, os custos da 5G serão altos, obrigando as empresas a mudarem de atitude em relação a suas redes, passando a compartilhar todos os seus elementos, e pensar mais nos usuários. Para ele, não haverá transformação digital sem as redes de telecom, que garantem a conectividade.